Single Posts
Confirmados
27.118
Single Posts
Recuperados
17.094
Single Posts
Óbitos
184

 Publicidade

Detentos da carceragem de Parauapebas são beneficiados com cursos, palestras e oficinas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) vem intensificando as ações de reinserção social em todo o Estado com cursos, palestras e oficinas em parceria com o “Sistema S”, que integra o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), entre outras instituições, como por exemplo, a Associação Beneficente de Capelania Social (Abecas). Ao longo do ano de 2016, 1.123 internos do sistema penal foram beneficiados.

Em Parauapebas, com o apoio do Senar, detentos tiveram a oportunidade de se qualificar em cursos de panificação, processamento de chocolate, artesanato e confecção de sandálias. O último do semestre foi o curso de derivados de leite, realizado em maio. Na iniciativa, 20 internos aprenderam como fazer queijo, coalhada, iogurte, doce de leite e requeijão.


“Estamos indo de acordo com o objetivo do sistema penal. Após os inícios dos cursos na unidade houve uma significativa redução na reincidência e a ociosidade foi deixada de lado. É uma iniciativa onde todos ganham. Ganha o sistema penitenciário, a polícia, o jurídico e principalmente a sociedade”, explicou o diretor da Carceragem de Parauapebas, Murilo Souza.

“É a minha primeira experiência com laticínios. Eu me esforço para aprender e quando tiver lá fora poder fazer uma renda com o que eu aprendi”, disse o custodiado João Vitor Aires, que nunca tinha feito nenhum curso enquanto estava em liberdade e participa nesta semana do quarto curso oferecido na unidade prisional.

Os cursos e oficinas possuem uma carga horária que variam entre 40 e 60 horas e ao final todos recebem certificados, além de remir parte da pena. Para a coordenadora de educação prisional da Susipe, Aline Mesquita, os cursos e oficinas têm um importante papel para a construção do futuro profissional dos reeducandos.

“A realização de todos estes cursos e oficinas são fatores primordiais para o ensino profissional. Neste processo, os internos descobrem habilidades, se identificam com determinadas áreas de atuação e se sentem estimulados a estar na sala de aula e até mesmo buscarem um ensino superior. Nós somos gratos a todas as parcerias existentes e que nos apoiam e possibilitam a realização dessas atividades”, afirmou.

No Centro de Recuperação Regional de Capanema (CRRCAP), os internos aprenderam técnicas de pintura em tecidos. Durante as aulas foram feitos guardanapos, que depois de finalizados foram usados pelos próprios internos e também presenteados às famílias no dia de visita.

Já no Centro de Recuperação de Salinas (CRRSAL), o aprendizado trouxe benefícios de curto e longo prazo. Com cursos de material de limpeza e higiene, os detentos aprenderam a fazer detergente. “O que nós oferecemos a eles são cursos que são úteis enquanto eles estão dentro do cárcere e que quando saírem pode ser transformado em fonte de renda para garantir o sustento da família”, ressaltou o diretor do CRRSAL, Alexandre Moura.

No Centro de Recuperação Regional de Itaituba (CRRI), no sudoeste do Pará, 26 internos desenvolvem de forma contínua a produção de vasos e abajur com papel reciclado, ursos de brinquedo com sacolas plásticas, bonés, redes de pesca e de descanso com linha, além de cofres, abajur, brinquedos e maquetes com caixas de papelão e palito de picolé.

“Todo o material produzido aqui dentro as famílias levam, nos dias de visita, e comercializam lá fora. Muitos mesmo estando aqui dentro ajudam e são os responsáveis pelo sustento da família, mesmo presos. Então para eles é muito bom, pois percebem que são capazes de manterem a sua família com um trabalho honesto”, ressaltou a diretora do CRRI, Socorro Oliveira.

A parceria da Susipe com o Sistema “S” tem possibilitado uma nova perspectiva de vida aos detentos. Somente o Senar realizou desde 2013, 117 cursos, com aproximadamente 2 mil detentos capacitados. “O Senar já desenvolve ações voltadas para o social e para a assistência, por exemplo. E a parceria com a Susipe vem fortalecer esta missão e colaborar de fato para integração dos detentos de maneira mais integral e eficaz”, finalizou o superintendente do Senar-Pará, Walter Cardoso.

Publicidade

Veja
Também