Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Diretores da ACIP visitam unidade de cobre da Vale em Marabá

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Comissão de empresários da Associação Comercial e Industrial de Parauapebas (ACIP) visitou a unidade do Salobo, localizada no município de Marabá, na terça-feira, 21/5. Durante a visita foi apresentado o projeto de cobre Salobo III, que compreende a segunda expansão da operação da maior mina de cobre da Vale no Brasil. A ampliação do empreendimento teve a licença de instalação concedida em novembro de 2018.

O Salobo III, que engloba uma terceira planta de concentração e utilizará a infraestrutura existente, aumentará a capacidade de beneficiamento da unidade. As obras devem ocorrer nos próximos três anos. O pico de contratações está previsto para 2020, quando 3.200 pessoas deverão atuar na construção do empreendimento.


O presidente a ACIP, Rodrigo  Zanrosso, que liderou a comitiva da ACIP, comentou que esteve na unidade em 2012. “E voltando neste momento, sete anos depois, a gente nota a continuidade da preocupação da Vale com a preservação do meio ambiente, com a saúde e segurança tanto dos empregados quanto dos visitantes e a gente fica feliz de ter algo desse porte tão próximo da nossa cidade, que apesar de estar em Marabá, o Salobo é atendido também por empresas de Parauapebas e da região”.

Parceria

Desde o ano passado, foram iniciadas rodadas com empresariado local, promovidas pelas Associações Comerciais, Federação das indústrias e Simineral para apresentação do projeto e criação um ambiente de prospecção de negócios e parcerias. Somente este ano, o total de 131 empresas participou dos encontros realizados em Parauapebas, Marabá e Belém.

Zanrosso ressalta a importância desses encontros para aproximar as grandes empresas dos prestadores de serviço. “Nós enquanto empresários e entidade, ficamos muito satisfeitos em ver o grau de comprometimento da Vale em estar mostrando à classe empresarial, como funciona o projeto Salobo e também em ver o entendimento que a Vale tem de que empresas da região estão prontas para atender. Na visita nós pudemos ver empresas que têm sede em Parauapebas trabalhando, como Plangecon, Geoterra e AIL Engenharia”, destaca.

Barragem

Durante a visita também foi feita uma apresentação sobre o método construtivo adotado, metodologia de monitoramento e equipamentos empregados na barragem do Salobo e em seguida uma vista in loco. Com operação iniciada em 2012, a barragem tem método construtivo a jusante, que emprega solo compactado.  Foram repassadas também informações sobre os equipamentos utilizados no monitoramento e das inspeções no Salobo e nas demais barragens da Vale, que demonstram a estabilidade das estruturas e que as mesmas operam dentro da normalidade e com fator de segurança operacional adequado ao que determina a legislação.

Publicidade

Veja
Também