EDUCAÇÃO: Comitiva de Parauapebas visita universidade municipal no interior do Pernambuco

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um sonho que há muito tempo vem sendo sonhado por muitos, com destaque para jovens políticos que já apresentaram indicações propondo a implantação da Universidade Municipal de Parauapebas. Assim, de passo em passo, as ideias vêm se afinando e, graças ao compromisso que o prefeito Darci Lermen tem com a educação, esse sonho parece estar perto de se tornar realidade.

O projeto de criação da universidade municipal vem de encontro com a proposta de trazer outras alternativas econômicas, o que além de agregar mais recursos aos cofres públicos, tornará o município independente da mineração, o que atualmente parece ser a principal fonte de renda da “Capital do Minério”.


Um projeto semelhante chamou a atenção e fica em Araripina, no estado do Pernambuco; e foi lá que uma comitiva de Parauapebas liderada pelo prefeito Darci Lermen e o secretário de Governo, Keniston Braga, juntamente com o vice-prefeito João do Verdurão, e alguns vereadores, iniciaram visitas às universidades municipais.

 

A primeira parada, ocorrida na manhã desta terça-feira, 26, foi em Araripina, com o objetivo de conhecer o funcionamento e desempenho da universidade municipal para que Parauapebas em breve tenha sua própria universidade municipal e seja um polo universitário. “Todos os anos muitos jovens saem de Parauapebas para buscar ensino superior em outras regiões, levando daqui recursos que circulam em outros municípios. Com a criação da Universidade Municipal, além de manter nossos jovens perto das famílias, atrairemos estudantes de outros municípios o que, circunstancialmente, significa a chegada de recursos para os cofres do município”, almeja Keniston Braga, detalhando ainda que, com a implantação de uma universidade municipal, o comércio e o mercado imobiliário local serão aquecidos, pois, por todo o período em que o jovem ficará aqui para fazer um curso superior, terá que locar imóvel, se alimentar e comprar diversos outros insumos para sua sobrevivência; além da contratação de diversos profissionais da educação superior muitos deles vindos de outros municípios.

Publicidade

veja também