Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

‘Ele não’, afirma Ciro Gomes ao ser questionado sobre apoio no segundo turno

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Foto: Nacho Doce/Reuters

Candidato a presidente pelo PDT perdeu pela terceira vez uma eleição presidencial. Ele disse que se reunirá com a direção do partido para decidir a posição, mas excluiu Bolsonaro

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, afirmou na noite deste domingo (7), após a confirmação do segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), que vai se reunir com a direção do partido antes de decidir sobre a posição a ser adotada na nova etapa da eleição. Mas excluiu a hipótese de apoiar Bolsonaro: “Ele não, sem dúvida”.


Ciro afirmou que vê “com muitas angústia e preocupação” a divisão do país, mas ressalvou que combate o “fascismo”.

“Uma coisa eu posso adiantar logo, como vocês já viram: minha história de vida é uma história de vida de defesa da democracia e contra o fascismo”, declarou.

Questionado por um repórter se alguma hipótese estava descartada, respondeu: “Ah, ele não, sem dúvida”.

Ciro ainda declarou que discutirá com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, a situação do segundo turno.

O candidato do PDT afirmou que encerrou o primeiro turno da eleição presidencial com sentimento de “profunda gratidão ao povo brasileiro” e fez um agradecimento especial aos eleitores do Ceará, sua base eleitoral.

No estado, o irmão Cid Gomes foi eleito senador, e o governador Camilo Santana (PT), apoiado por Ciro, se reelegeu.

“Eu vou agora comemorar a vitória do Camilo, que é uma vitória superlativa, uma vitória do senador Cid Gomes, que é o meu orgulho. Fizemos uma extraordinária maioria na Assembleia Legislativa do Ceará”, disse o candidato.

Terceira tentativa

O pedetista disputou a Presidência pela terceira vez – em 1998, filiado ao PPS, também ficou em terceiro na disputa, atrás de Fernando Henrique Cardoso, eleito no primeiro turno, e Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2002, ainda no PPS, ficou na quarta colocação, atrás de Lula, eleito pela primeira vez, José Serra e Anthony Garotinho.

Neste ano, Ciro buscou na campanha se apresentar como uma terceira via, como alternativa tanto a Haddad e o PT quanto a Bolsonaro.

Ele insistiu nas críticas à postura do PT em relação à sua candidatura e, inclusive, chegou a declarar que “não é mais possível” apoiar o partido.

Em relação a Bolsonaro, Ciro foi mais enfático: em mais de uma ocasião, referiu-se ao adversário como “aberração” e apontou “riscos” à democracia caso ele seja eleito.

Propostas

Durante a corrida eleitoral, o programa Nome Limpo, uma das propostas de Ciro mais divulgadas, foi considerada um “hit” de campanha.

O projeto propunha a quitação dos débitos dos consumidores que estão com o nome sujo no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) por meio do refinanciamento das dívidas junto aos bancos.

Por um lado, foi criticado por adversários e economistas, que o acusaram de populismo. Por outro, se manteve firme e declarou, em mais de uma ocasião, que só fica contra esse projeto “quem tem horror a povo”.

Durante toda a campanha, Ciro também criticou e prometeu revogar a reforma trabalhista e o teto de gastos aprovado por meio da emenda 95, ambas propostas pelo governo Michel Temer.

Um dos principais mantras repetidos por ele e por sua campanha foi o de criar um “grande projeto nacional de desenvolvimento”, com investimentos em ciência, tecnologia, indústria e empregos.

Pesquisas

Em agosto, no início da campanha eleitoral, Ciro já figurava em terceiro nas pesquisas sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No início de setembro, com a confirmação da candidatura de Fernando Haddad, Ciro chegou a figurar em segundo nas pesquisas.

Ultrapassado pelo petista em setembro, permaneceu na terceira posição em todas as pesquisas divulgadas até o primeiro turno das eleições, estagnado em um percentual entre 10% e 13% das intenções de voto.

Publicidade

Veja
Também