Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Em Parauapebas, candidatos derrotados discordam dos resultados das eleições

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma disputa de 28 por 1, já que os 427 candidatos a vereador disputavam 15 cadeiras existentes na Câmara Municipal de Parauapebas. Conta que pode ter coeficiente diferente para cada município, dependendo do número de eleitores relativo ao de candidatos.

Ao final das eleições, com a divulgação dos resultados, os candidatos se dividem em uma espécie de dois grupos, sendo um dos que “choram” e outro dos que “vendem lenços”. Mas, nas eleições municipais deste ano, parece que a inconformação foi mais notada, podendo se ver em vídeos e áudios que circulam pelas redes sociais de candidatos “não eleitos” de todo o Brasil.


De acordo com o professor, blogueiro e analista político, Henrique Branco, a eleição de 2020 mostrou um nível elevado de ataques e desconfiança ao nosso sistema eleitoral, que é eletrônico, e segundo especialistas da área, extremamente seguro. “Tal movimento questionador já havia começado em 2018, quando o próprio presidente eleito Jair Bolsonaro, colocou em xeque todo o processo”, lembra Henrique Branco, indagando: a quem interessa desacreditar as instituições? Enfraquecê-las? Colocar o trabalho em xeque?
Mas, recomenda que não podemos reforçar esse tipo de questionamento que, em sua opinião, vem, em sua maioria, dos candidatos que não obtiveram êxito nas urnas.

Descontentamento de candidatos – Em Parauapebas a insatisfação tem sido notada, vinda de candidatos com baixo expressão de votos, enquanto dizem ter certeza de que os verdadeiros números são superiores aos demonstrados nas urnas, tendo como esperança a anulação das eleições.

A primeira manifestação pública, feita em Parauapebas, veio de André Lira, candidato pelo PRTB – Partido Republicano Trabalhista Brasileiro, que obteve 584 votos, dando por certo que as eleições foram fraudadas. Segundo o informado em seu vídeo, as urnas foram alvo de ataques de hackers, o que manipulou a decisão do eleitor. “Cadê a democracia neste país?”, pergunta André Lira, informando que vários deputados criaram uma grande comissão para anular as eleições municipais em todo o Brasil.

André Lira

 

Outro candidato de Parauapebas que se manifestou contrário ao resultado das eleições na qual tirou 380 votos, foi Pedro da 14. “Visitei mais de 700 famílias e se em cada uma delas eu tivesse pelo menos um voto já daria 700 votos. Além dos amigos de meus amigos e amigos de meus filhos”, calcula Pedro da 14, inserindo ainda na planilha os votos de funcionários de quatro empresas que o apoiaram.

Pedro da 14

 

Quem diz não engolir a derrota é Felipe Tommy, tomando como base a palavra de 1.135 que garantem ter votado nele, porém, no resultado anunciado pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral), apareceram apenas 376 votos.

Felipe Tommy

 

O que diz o TSE? – De acordo com Luís Roberto Barroso, ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitora) houve um atraso na totalização dos resultados por força de um problema técnico que foi exatamente o seguinte: um dos núcleos processadores do super computador que processa a totalização falhou sendo preciso repará-lo.

O ministro esclarece que o sistema eleitoral brasileiro funciona assim: ao início da votação produz-se uma impressão do que se chama a zerézima o que notifica que não havia, antes do início da votação, nenhum voto naquela urna; e ao final do período de votação, se imprime, em diversas vias, o boletim daquela urna com o fiel resultado dos votos que ali foram depositados. “Portanto, a ideia de que o atraso traga algum tipo de consequência para o resultado, não faz nenhum sentido. Pois, o resultado das eleições já saiu no momento em que a urna imprimiu o boletim que, além de ser fixado do lado de fora da sessão eleitoral, é distribuído aos partidos”, detalha Luís Roberto Barroso, dando por certo de que os Tribunais Regionais Eleitorais, fizeram com precisão a transferência das informações; e que o problema ocorrido se deu exclusivamente no TSE onde ele diz que tudo chegou de forma íntegra, porém, o processo de somar as mais de 400 mil sessões é que ficou extremamente lento em razão de um dos processadores ter sofrido um problema técnico.

Publicidade

Veja
Também