Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Em Parauapebas, catadores de latinhas aproveitaram o carnaval para reforçar suas rendas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

No período de carnaval, algumas pessoas aproveitam a festa de outra maneira e garantiram o sustento de suas respectivas famílias

O carnaval chegou com muita alegria e dezenas de pessoas que aproveitaram a festa para faturar uma graninha extra em Parauapebas. Para muitas pessoas, cada noite era sinônimo de alegria e folia, tudo acompanhado de uma boa cerveja gelada, mas para outras, o final da festa era motivo de alegria, afinal, se transformou em sinônimo de mais dinheiro para ajudar no sustento das famílias.


O jovem Francildo Alencar, de 23 anos que está há três anos desempregado aproveitou o período momesco para faturar uma boa grana. Ele encontrou o sustento de sua casa juntando latinhas pelas ruas de Parauapebas, e ressalta que no carnaval, sua renda aumentou uns 10% por noite.
“Parauapebas está sem emprego, e o meio de vida que temos é este, catando latinhas para sobreviver, pois não vou roubar”, afirmou Francildo, todo sorridente.
Ele também ressalta que gosta do carnaval porque todos ganham, as pessoas que se divertem na festa e ele, que cata ainda mais latinhas.

Em Parauapebas são milhares de pessoas que vivem do comércio de juntar latinhas nas ruas, o senhor Carlos Osmar, de 51 anos, ficou desempregado ano passado e para não passar fome, resolveu catar latinhas. Diariamente ele junta três mil latinhas e fala que este é um trabalho digno.
“Estou lutando para sobreviver e para sustentar minha família, muitos acham que este emprego não tem futuro, mas o que não tem futuro é pegar as coisas alheias”, relatou Carlos.

 

MAIS DE 18 MIL LATINHAS EQUIVALEM A UM SALÁRIO MÍNIMO

Um catador de latinhas tem que juntar aproximadamente duzentos e setenta (270) quilos de alumínio ou dezoito mil e novecentas (18.900) latas para ganhar um salário mínimo em Parauapebas.

O levantamento foi feito com base no preço médio pago por empresas de ferro-velho no município. No mês de dezembro de 2017, a cotação ficou em R$ 3,00. Vale ressaltar que um quilo de latinhas de alumínio corresponde a cerca de 70 latas.

Reportagem: Adersen Arantes

Publicidade

Veja
Também