Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Entidades sindicais de Parauapebas planejam ato público contra a Reforma da Previdência

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma reunião para definir a greve geral de todos os sindicatos de Parauapebas, promovida pela Coordenação Sindical de Parauapebas (CSPEBAS), que expôs para a imprensa o motivo da greve que as entidades estão organizando para esta semana.

Na coletiva de imprensa, ocorrida na tarde de segunda-feira (18), na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (STHOPA), onde reuniu representantes de diversas entidades sindicais, entre elas: METABASE, SENPA, SIMETAL, SINTICLEPEMP, SINSEPPAR, SINTCOMP, SINTEPP, SINTRACPAR, SINTRAPAV, SINTRODESPA e STHOPA; os líderes dos respectivos sindicatos se colocaram à disposição para detalhar o motivo da paralisação que deverá ocorrer no dia 22, sexta-feira.


De acordo com os sindicatos a luta é para barrar a Reforma da Previdência nos moldes em que está proposta pelo atual governo federal. “A gente tenta conscientizar a todos que a Reforma da Previdência não afeta apenas quem já está trabalhando, mas, também quem já está no mercado de trabalho”, explica Carlos Alessander, diretor do Sindicato dos Servidores Públicos de Parauapebas (SINSEPPAR), contando que todos os trabalhadores do setor público e privado estão envolvidos no movimento que acontecerá em nível nacional, realizado pelas centrais trabalhistas e confederações, dando aos sindicatos de cada município o poder de articular o ato da forma mais conveniente e adequada para a realidade de cada região.

Em Parauapebas, de acordo com os organizadores, estão sendo convocadas todas as entidades sindicais para mobilizar os trabalhadores das respectivas categorias para se reunirem na Praça de Eventos, às 8h00 do dia 22, sexta-feira, participar do grande ato público pela manutenção do atual modelo previdenciário com a possibilidade que se faça mudanças que não venha prejudicar os trabalhadores.

Ainda de acordo com as entidades sindicais, após este ato, deverá ser feito análise de conjuntura para se traçar outros manifestos, além de conversas com líderes parlamentares para se construir um entendimento e na medida que houver necessidade, fazer mais manifestações públicas. “A nossa intenção enquanto coordenação local de Parauapebas, até para fortalecer a compreensão da comunidade em relação ao tema, estamos disponíveis para centros acadêmicos, associação de moradores e diversas outras, para a realização de atos isolados para esclarecimentos, proporcionando assim que cada vez mais pessoas possam entender o que a Reforma da Previdência afetará suas vidas”, explicou Raimundo Amorim, o popular Macarrão, presidente do METABASE CARAJÁS.

Publicidade

Veja
Também