Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Escolas públicas preparam processo eleitoral em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Após luta da categoria servidora da educação pública do Pará, o governo estadual abriu eleições para os cargos de diretor e vice diretor de escolas públicas, podendo concorrer todos os servidores na educação pública com licenciatura e pertencer ao quadro de servidores efetivos da SEDUC; ter desempenhado cargo público, na data da eleição, por período igual ou superior a três anos , em escola da Rede Estadual de Ensino; apresentar proposta de plano de gestão, construído em conjunto com a comunidade escolar e em conformidade com o projeto político pedagógico da Escola; apresentar estimativa de gastos com a campanha eleitoral; outro requisito indispensável é fazer parte de chapa constituída de diretor e vice diretor.

Não podem concorrer na mesma chapa os candidatos, seus cônjuges e parentes consanguíneos ou afins até 2º grau.
Atendendo a estas exigências as chapas serão votadas pelos trabalhadores da educação lotados na escola; todos os alunos maiores de 12 anos, devidamente matriculados e com frequência regular; pais ou responsável do aluno.


Em assembleia ocorrida na noite de quinta-feira, 4, trabalhadores da educação pública municipal e estadual ligados ao Sintepp (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará), discutiram o assunto e entre as principais alegações estava o baixo salário oferecido tanto a diretor quanto a vice diretor, respectivamente, que terão que se afastar da sala de aula ficando, o diretor, apenas com a carga mínima de aulas (80 horas) mais os cerca de R$ 500 de gratificação pelo cargo, valor que somados não chega ao teto recebido como professor; já para o vice diretor o valor da gratificação pelo cargo é inferior a R$ 400, que somados ao teto mínimo de aulas (80 horas) também é inferior ao teto recebido em sala de aula.
Mesmo assim as chapas devem ser apresentadas, pois segundo a coordenadora da Sub sede da entidade em Parauapebas, Luciene Moitinho, esta foi uma luta da categoria e mesmo com as dificuldades criadas pelo governo é preciso que se tome a direção das escolas dando assim o direito de escolha aos alunos e servidores. “Independente do ganho salarial, precisamos exercer nosso dever que é dar melhor rumo à educação dirigindo com o conhecimento de quem milita há anos e conhece as reais deficiências e mecanismos para a mudança”, salientou Luciene.

Na Assembleia ocorrida ontem na escola Marluce Massariol, além da eleição para diretor e vice diretor, foi tratada a seguinte pauta:

• Eleição para a escolha dos Delegados para o XXI Congresso Estadual dos Trabalhadores em Educação Pública;
• Negociação com o Governo;
• E informes gerais.

Esta assembleia sucedeu a outra ocorrida no auditório do CEUP (Centro Universitário de Parauapebas) no dia 28 de agosto quando a categoria deliberou uma Paralização unificada nas redes estadual e municipal; retorno da mesa de negociação permanente com o Governo; pagamento da Progressão Funcional/PCCR; e garantia de repasse voluntário dos filiados ao Sintepp.

Reportagem e foto: Francesco Costa

Publicidade

Veja
Também