Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Famílias invadem casas de residencial abandonado em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Abandonando pelo Governo Federal, o residencial Nova Carajás IX foi invadido no último domingo (22) por cerca de 300 famílias que se dizem sem teto. O residencial, com 1.194 unidades habitacionais para famílias de baixa renda, começou a ser construído no dia 30 de novembro de 2012, ainda na gestão do ex-prefeito Darci Lermen, com prazo para ser concluído no dia 31 de maio de 2014.

Orçada em R$ 71.640.000,00, a obra foi paralisada na gestão do prefeito Valmir Queiroz Mariano, o Valmir da Integral (PSD), que sucedeu Darci. Cada unidade habitacional tem 41,42 metros quadrados de área construída e tinha previsão de beneficiar cinco mil pessoas. Parte das unidades já está praticamente pronta, faltando apenas o acabamento.


O restante, no entanto, está com paredes erguidas ou apenas na base. Antes de ser invadida, a obra estava completamente tomada pelo mato. No primeiro bloco, que já está praticamente pronto, havia alguns moradores de rua dormindo no local.

O projeto é o “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal, que com a parceria com a Prefeitura de Parauapebas, previa ainda a construção de uma escola de Ensino Fundamental e outra de educação infantil, uma unidade básica de saúde e um centro de referência de assistência social. As famílias que invadiram o residencial alegam que não têm casa.

“O projeto está abandonado, enquanto nós estamos precisando de casa. Com certeza já comeram o dinheiro da obra e, por isso, decidimos ocupar e nós mesmos vamos terminar de construir nossas casas”, afirmou um dos ocupantes.

Nota

Em nota enviada à reportagem, na noite desta segunda-feira (23), a Prefeitura de Parauapebas diz que a verba investida no Residencial Nova Carajás é de repasses do governo federal e que ele foi ocupado irregularmente no fim de semana. A Prefeitura diz ainda que está cobrando das instituições responsáveis, por meio da Secretaria Municipal de Habitação (Sehab), neste caso, do agente financiador do projeto, o Banco do Brasil, e da Construtora CTC Engenharia, providências em relação à desocupação da área.

A Prefeitura esclarece, ainda, que as unidades fazem parte do Programa Minha Casa Minha Vida, que teve seu projeto iniciado ainda em 2012. Neste empreendimento, a contrapartida do município de Parauapebas é a construção de equipamentos públicos (Unidade Básica de Saúde, Centro de Referência de Assistência Social – Cras, Escola de Ensino Infantil e Fundamental), além de selecionar as famílias beneficiárias.

Reportagem: Tina Santos / Grupo Correio de Comunicação

Publicidade

Veja
Também