Famílias invadem casas de residencial abandonado em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Abandonando pelo Governo Federal, o residencial Nova Carajás IX foi invadido no último domingo (22) por cerca de 300 famílias que se dizem sem teto. O residencial, com 1.194 unidades habitacionais para famílias de baixa renda, começou a ser construído no dia 30 de novembro de 2012, ainda na gestão do ex-prefeito Darci Lermen, com prazo para ser concluído no dia 31 de maio de 2014.

Orçada em R$ 71.640.000,00, a obra foi paralisada na gestão do prefeito Valmir Queiroz Mariano, o Valmir da Integral (PSD), que sucedeu Darci. Cada unidade habitacional tem 41,42 metros quadrados de área construída e tinha previsão de beneficiar cinco mil pessoas. Parte das unidades já está praticamente pronta, faltando apenas o acabamento.


O restante, no entanto, está com paredes erguidas ou apenas na base. Antes de ser invadida, a obra estava completamente tomada pelo mato. No primeiro bloco, que já está praticamente pronto, havia alguns moradores de rua dormindo no local.

O projeto é o “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal, que com a parceria com a Prefeitura de Parauapebas, previa ainda a construção de uma escola de Ensino Fundamental e outra de educação infantil, uma unidade básica de saúde e um centro de referência de assistência social. As famílias que invadiram o residencial alegam que não têm casa.

“O projeto está abandonado, enquanto nós estamos precisando de casa. Com certeza já comeram o dinheiro da obra e, por isso, decidimos ocupar e nós mesmos vamos terminar de construir nossas casas”, afirmou um dos ocupantes.

Nota

Em nota enviada à reportagem, na noite desta segunda-feira (23), a Prefeitura de Parauapebas diz que a verba investida no Residencial Nova Carajás é de repasses do governo federal e que ele foi ocupado irregularmente no fim de semana. A Prefeitura diz ainda que está cobrando das instituições responsáveis, por meio da Secretaria Municipal de Habitação (Sehab), neste caso, do agente financiador do projeto, o Banco do Brasil, e da Construtora CTC Engenharia, providências em relação à desocupação da área.

A Prefeitura esclarece, ainda, que as unidades fazem parte do Programa Minha Casa Minha Vida, que teve seu projeto iniciado ainda em 2012. Neste empreendimento, a contrapartida do município de Parauapebas é a construção de equipamentos públicos (Unidade Básica de Saúde, Centro de Referência de Assistência Social – Cras, Escola de Ensino Infantil e Fundamental), além de selecionar as famílias beneficiárias.

Reportagem: Tina Santos / Grupo Correio de Comunicação

Publicidade

veja também