Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Famílias vítimas de enchentes recebem Auxílio Emergencial da Defesa Civil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Na última sexta-feira, 14, a Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão (Semsi), fez a entrega do cheque simbólico do Auxílio Emergencial Pecuniário Recomeço para representantes das 36 famílias residentes nos bairros Novo Brasil, São Luís II, Liberdade I e Liberdade II, vítimas das inundações que ocorreram em Parauapebas em março e abril deste ano.

Além dessas, uma família residente no bairro Parque das Nações e que teve prejuízos por causa de incêndio em sua residência também é beneficiada com o auxílio, para compra de bens básicos de manutenção.


O Auxílio Emergencial Pecuniário Recomeço é um benefício no valor de quatro salários mínimos vigentes (R$ 4.180,00) e destinado a famílias afetadas por eventos adversos conforme a Classificação e Codificação Brasileira de Desastres (Cobrade) e acometidas por perdas de bens móveis de primeira necessidade de acordo com a Lei Municipal 4.859 de 06 de abril de 2020.

“O Novo Brasil foi o primeiro bairro a ser contemplado com o benefício, visto que teve cerca de 70% de suas residências afetadas pelas inundações. Os beneficiários já estão com o auxílio na conta”, comenta Denis Assunção, gestor da Semsi.

José Benedito dos Santos é morador do Novo Brasil e um dos beneficiários. “A água subiu muito rápido e não deu para tirar nada, somente as crianças, e saímos de casa. A gente perdeu todos os móveis com a enchente. Esse auxílio veio contribuir para restaurar tudo o que foi perdido”, conta.

Para a concessão do benefício, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec), órgão ligado à Semsi, faz o levantamento das famílias residentes em imóveis diretamente afetados por eventos adversos e que tenham perdido os bens básicos necessários à manutenção da condição mínima de moradia, como cama, colchão, geladeira, fogão e utensílios básicos de cozinha.

“É nosso dever, enquanto agente social, assessorar a comunidade mediante situações de emergência e desastres, trabalhando diretamente os programas de governo para assistir humanitariamente as comunidades afetadas mediante as necessidades básicas detectadas”, comenta a assistente social da Defesa Civil, Vanda Marçal.

Publicidade

Veja
Também