Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Funcionários do Hospital Geral de Parauapebas fazem protesto por salários atrasados

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Funcionários da empresa GAMP (Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública) que administra o Hospital Geral de Parauapebas (HGP), realizaram um protesto na manhã desta terça-feira (15). Segundo técnicos em enfermagem, são mais de dois meses de salários atrasados e a situação atinge pelo menos 200 funcionários.

O hospital começou a atender a população com centro cirúrgico e maternidade em primeiro de agosto, no período muitos funcionários receberam por dias trabalhados, mas nos meses seguintes, os salários não estariam sendo pagos.
O técnico em enfermagem Francisco Jaepan alega que fica difícil manter um atendimento de qualidade se os próprios funcionários não conseguem se manter. “Os usuários que usam o hospital precisam do nosso atendimento também, como nós vamos dar um bom atendimento sem receber?”.


Perguntado se a empresa vem dando justificativas para o problema, a enfermeira Val Cerceau diz que sempre havia a promessa, mas o salário nunca foi depositado: “No início do mês eles falam que vão pagar toda segunda e toda sexta, mas isto não está acontecendo”, disse.

Apesar de a situação perdurar por meses, segundo os enfermeiros, mais pessoas continuam sendo contratadas para trabalhar no hospital. Os manifestantes reclamam também de outros problemas, como a proibição de entrada de funcionários pela porta principal do hospital, eles alegam que precisam entrar pelos fundos, o que deixa principalmente mulheres, apreensivas, pois elas consideram o local perigoso, sobretudo, no período noturno.

A enfermeira Antônia dos Reis relata que alguns profissionais estão sem poder trabalhar diante da falta de pagamento: “Nós temos colegas que não estão podendo mais vir ao trabalho porque não tem dinheiro para pagar R$5,00 por dia, porque são R$ 2,50 para vir e R$2,50 para voltar”. Disse.

Até o fechamento desta reportagem, a Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Saúde não respondeu ao e-mail no qual nossa redação pede esclarecimentos a respeito da situação salarial reivindicada pelos funcionários.

De forma extraoficial, o Secretário de Saúde, Juranduy Soares, estaria tentando obter os valores para que os funcionários recebam até a próxima quinta-feira.
Já os trabalhadores alegam que podem paralisar os serviços, caso o problema continue. O mesmo pode ocorrer entre os médicos, a categoria pode entrar em greve no próximo dia 20 de novembro, caso as reivindicações da não sejam atendidas.

Reportagem: Jéssica Diniz / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também