Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Governo discute Pará 2030 com setor mineral

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Ocorreu ontem (30), na Casa da Mineração, um bate-papo interessante que contou com a presença dos secretários estaduais de Desenvolvimento Econômico, Adnan Demachki; de Ciência e Tecnologia, Alex Fiúza, e de Turismo, Adenauer Góes. A convite do Simineral, os secretário apresentaram, respectivamente, os Programas Pará 2030, Pará Profissional e Pará – a obra prima da Amazônia, para um grupo atento de associados da entidade sindical do setor minerário.

“Participamos ativamente da construção do Pará 2030, abrimos o Simineral para que pudéssemos colaborar com o planejamento estratégico. Acredito que o Pará seja o único Estado, da Federação, que neste momento se planeja a longo prazo. Aliás, a proposição do Pará 2030 para os próximos 15 anos nos influenciou. O nosso plano de trabalho no Simineral visava 2020, e nós o refizemos também para 2030”, afirmou José Fernando Gomes Jr. “O Estado está mobilizado na condução do Programa e o secretário Adnan tem competência para está à frente disso. Ele é a locomotiva do Pará 2030. Ele é do interior, um grande gestor e tem uma inquietude para mudar as coisas, sem igual”, completou José Fernando.


Para o consultor ambiental, Raul Porto, que assistiu a série de apresentações dos secretários, o Pará 2030 tem um propósito abrangente e não deve ter descontinuidade. “Esse planejamento é amplo, ele simplesmente abraça todo o sistema produtivo, não vejo outra solução para o Estado do Pará avançar. O Pará 2030 não pode ser interrompido”, afirmou ele.

Durante a série de palestras, Adnan Demachki destacou os projetos de verticalização prioritários no Pará com ênfase ao segmento mineral. Ele observou que o segmento tem sido parceiro do Estado, mas fez questão de lembrar que essa parceria precisa ser bem-sucedida para os empresários e para a sociedade.

“Queremos que vocês (empresários da mineração) cresçam, mas lembrem-se que o Estado também precisa crescer, com geração de empregos e renda para nossa população”, frisou Demachki.
Alex Fiúza, acompanhado do diretor de Educação Profissional e Tecnologógica, da Sectet, Luiz Blasques, ressaltou a recente criação do Programa Pará Profissional, instituído em lei em 18 deste mês.

“Trata-se de uma política pública que atende as empresas e todas as regiões, dentro de suas especificidades. As empresas devem apresentar suas necessidades de mão de obra qualificada, e o Estado estará pronto para promover cursos de educação profissional e tecnológica em sintonia com as demandas do mercado”, garantiu Fiúza. Adenauer Góes, por sua vez, apresentou o planejamento estratégico da Setur, compreendido dentro do Pará 2030, direcionado a consolidar o negócio do turismo no território paraense.

Publicidade

Veja
Também