Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Greve à vista: Aulas em escolas da rede estadual serão suspensas nesta terça-feira (30)

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Trabalhadores em educação da Rede Estadual de Ensino, reuniram em assembleia geral em Belém, na manhã do dia 17 de Setembro, e em Parauapebas no Plenarinho da Câmara Municipal de Parauapebas, no dia 19, e através de informes foi passado para os educadores o andamento das negociações das campanhas salarias nas redes Municipais do SINTEPP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará), e o quadro de greves em andamento. Os municípios de São Domingos do Capim e Alenquer, por exemplo, permanecem com as atividades escolares paralisadas.

Em Parauapebas todas as escolas da rede pública estadual, também paralisarão nesta terça-feira (30), em que os profissionais da educação dedicarão para fazer, além de manifestação pacífica, reunião da Comissão de eleição dos gestores das escolas às 9hs, na Subsede do SINTEPP/Parauapebas, com a seguinte pauta:


Elaboração do Regimento Eleitoral Único para todas as escolas onde houver eleição.

Luciene Moitinho - Coordenadora da Subsede/Parauapebas
Luciene Moitinho – Coordenadora da Subsede/Parauapebas

A tarde será feita panfletagem e diálogo referente à pauta das Escolas da Rede Estadual, às 16 horas, com concentração na Escola Estadual Terezinha de Jesus (Bairro Cidade Jardim), onde apresentarão as seguintes reivindicações:

• Reforma e ampliação das escolas;
• Construção de escolas de qualidade;
• Garantia de professores em número suficiente;
• Garantia de eleição direta para gestor das escolas públicas.

Segundo a coordenadora da Subsede/Parauapebas do SINTEPP, Luciene Moitinho, não é intenção dos trabalhadores deflagrar greve, mas esta paralisação é um recado para o governo e se este não atender as respectivas pautas é possível que haja greve ainda este ano. “Uma greve é sempre desgastante para todos, professores e alunos, mas infelizmente o governo não tem entendido outra língua que não seja esta”, finalizou Luciene.

Reportagem e fotos: Assessoria de Comunicação do SINTEPP, Subsede Parauapebas

Publicidade

Veja
Também