Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Homem morre e mulher fica ferida em acidente de trânsito na volta de cavalgada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A primeira participação em uma cavalgada terminou em tragédia para o casal Edilberto Santos da Silva, de 32 anos, e Elcione Monteiro Lima, de 27. A moto em que eles estavam colidiu com o meio fio de uma rotatória na rodovia Faruk Salmen. Na batida, Edilberto, que era conhecido como Edy Tapajós, acabou morrendo no local.

Edilberto Santos morreu após bater a moto que pilotava contra o meio fio da rua
Elcione teve fratura do fêmur e teve de ser internada no Hospital Municipal de Parauapebas para ser submetida a cirurgia. O acidente aconteceu por volta de 16h30 do último sábado, dia 31, quando eles retornavam do Parque de Exposição, após a cavalgada de abertura da Feira Agropecuária de Parauapebas (FAP).

Segundo uma testemunha, que não quis se identificar, Edilberto estava pilotando em alta velocidade, quando foi fechado por uma caminhonete. Ele tentou desviar e acabou batendo no meio fio, sendo arremessado ao chão, junto com a mulher.


Elcione Monteiro quebrou o fêmur no acidente foi internada

Ele ainda foi socorrido por um veículo particular e levado para o Hospital Municipal, mas faleceu pouco depois. Elcione foi socorrida por uma ambulância do Corpo de Bombeiros.

De acordo com o sargento Da Luz, que estava à frente da equipe de socorristas, Elcione contou que essa era a primeira vez que ela e o marido participavam de uma cavalgada.

Ela detalhou que os dois moravam em Parauapebas há 9 anos e, durante esse tempo, Edy Tapajós sempre relutou em participar do evento. Este ano, no entanto, mesmo contra sua vontade, ele concordou em ir à cavalgada.

Os dois teriam consumido bebida alcoólica no parque e, na volta, acabou acontecendo o acidente. O corpo de Edy Tapajós foi levado para Santarém, no oeste do Pará, onde foi sepultado.

SAIBA MAIS

Segundo o sargento Da Luz, o número de acidente de trânsito após a cavalgada foi muito grande. Ele informa que só em uma única saída para atender ocorrências, eles fizeram nada menos de três atendimentos seguidos. “Infelizmente foram muitos os acidentes. Não durante a cavalgada, mas após o evento”, frisou o sargento.

Publicidade

Veja
Também