Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Hospital do Sudeste do Pará garante suporte integral para bebês prematuros

Elen Silva, moradora de Marabá, há 15 dias acompanha de perto o progresso do seu filho prematuro, David Hil, internado no Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP). Durante esse período desafiador, ela tem encontrado força e apoio nos profissionais da unidade, que oferecem suporte 24 horas por dia aos recém-nascido.

“Os cuidados que meu filho recebe aqui são incríveis. Eles monitoram sua respiração, alimentação e temperatura, ajustando tudo conforme necessário. Além disso, o carinho e a dedicação dos profissionais fazem a diferença. Tenho certeza que é por causa desse cuidado que o David ganha peso tão bem e logo estará pronto para ir para casa, saudável e forte”, explicou.

Os bebês encaminhados em estado grave para instituição, são direcionados para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, que conta com nove leitos de internação, equipe multiprofissional e equipamentos modernos, que contribuem para recuperação rápida e eficaz dos pequenos pacientes.

Beatriz Fernades de Morais, moradora de Parauapebas, também sabe o que significa ter um filho prematuro internado na unidade do Governo do Pará. Sua filha, a pequena Maryana Fernandes, está há 45 dias sob os cuidados especializados na instituição, recebendo o suporte necessário para seu desenvolvimento saudável.

“Além dos cuidados médicos essenciais para a recuperação da minha filha, o apoio e acolhimento que venho recebendo ajudam a enfrentar esse período. Recebo aqui um suporte emocional incrível. Em cada passo desse caminho, eles estão ao meu lado, orientando e confortando. Saber que não estou sozinha nessa jornada faz toda a diferença. Devemos receber alta essa semana, e estou feliz e grata pela dedicação e cuidado de todos”, enfatizou.

Segurança e Humanização 
Os protocolos de segurança do paciente adotado na UTI Neonatal do Regional em Marabá, visam garantir o cuidado intensivo e especializado aos recém-nascidos em situação crítica. Eles incluem a higienização adequada das mãos, uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) e o controle rigoroso de infecções, minimizando riscos de contaminação cruzada.

A enfermeira Pollyana Lobo, responsável pela UTI Neonatal, destacou que na instituição são realizados procedimentos padronizados para administração de medicamentos, nutrição e monitoramento contínuo dos sinais vitais, essenciais para detectar e tratar prontamente quaisquer complicações.

“Nosso compromisso é proporcionar um alto padrão de cuidado aos prematuros que chegam ao hospital. Implementamos regularmente rigorosos protocolos de segurança e procedimentos assistenciais que asseguram o bem-estar dos bebês. Além disso, nossa equipe é capacitada com treinamentos contínuos para oferecer sempre o melhor atendimento possível”, enfatizou.

O atendimento humanizado aos recém-nascidos no hospital visa o bem-estar dos pequenos e de suas famílias, colocando-os no centro do cuidado. Este tipo de atendimento envolve não apenas o tratamento médico de alta complexidade, mas também a criação de um ambiente acolhedor e empático, garanto que todos se sintam valorizados e ouvidos durante este período desafiador.

Flávio Marconsini, diretor-executivo do hospital, destacou a importância de oferecer atendimento humanizado às mães que acompanham seus filhos na UTI Neonatal. Muitas delas permanecem ao lado de seus bebês por períodos prolongados, chegando, às vezes, a 30, 60 e até 90 dias na unidade.

“Disponibilizamos as mães espaço de convivência equipado com poltronas confortáveis, ambiente climatizado e televisão, estrategicamente localizado próximo aos leitos das crianças. Além disso, as mães têm acesso a apoio emocional e uma variedade de projetos institucionais que visam preencher esse período, proporcionando atividades que contribuem para o seu bem-estar durante a estadia,” afirmou.

Um dos projetos destacados de humanização na unidade é o “Aconchego”, que tem como objetivo promover o desenvolvimento acolhedor e afetuoso dos recém-nascidos. A iniciativa utiliza polvinhos de crochê habilmente confeccionados por voluntários, cujos tentáculos simulam o contato com o cordão umbilical, proporcionando uma sensação reconfortante e segura aos bebês.

Perfil – O Hospital Regional do Sudeste pertence ao Governo do Pará e é gerenciado pelo Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia (ISSAA), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A unidade é referência para procedimentos de média e alta complexidade na região.

Qual sua reação para esta matéria?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Leia também no Portal Pebinha de Açúcar:

Deixe seu comentário