Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

ICMBio realiza consultas para criação do parque nacional campos ferruginosos de Carajás

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) realizará consulta pública para a criação do Parque Nacional Campos Ferruginosos de Carajás. Com a iniciativa, o Pará pode ganhar mais uma unidade de conservação para proteção de seus recursos naturais.
Os eventos acontecem nos dias 23 e 24 de novembro, respectivamente nas
Câmaras Municipais de Parauapebas e Canaã dos Carajás, às 18h.

As unidades de conservação são áreas legalmente instituídas pelo Governo Federal para proteger a biodiversidade. Com a criação, o Parque Nacional Campos Ferruginosos de Carajás será o maior parque de cavernas ferríferas do país localizado nos municípios de Canaã e Parauapebas. A unidade irá concentrar uma das maiores densidades de cavernas do Brasil.


São mais de 300 cavernas em formatos únicos e que abrigam espécies raras na região além de registros arqueológicos das primeiras ocupações humanas na Amazônia.

A criação atende o cumprimento de condicionante Ibama à Vale como compensação ambiental pela instalação do projeto Ferro Carajás S11D e outros empreendimentos na região. “O objetivo principal é proteger os campos ferruginosos, um tipo de ecossistema raro presente em rochas de formação ferrífera, conhecido como vegetação de canga ou “savana metalófila”, diz o Chefe da Flona Carajás, Frederico Drumond.

O Mosaico de Carajás é composto pela Área de Proteção Ambiental do Igarapé Gelado, a Floresta Nacional de Carajás, Floresta Nacional do Itacaíunas, Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri e Reserva Biológica do Tapiapé. Juntas somam uma área com mais de 1 milhão e 200 mil hectares de florestas bem preservadas e abrangem as cidades de Agua Azul do Norte, Canaã dos Carajás, Parauapebas, Marabá, São Felix do Xingu. Agora essa zona de conservação aumentará.

O Parque terá cerca de 80 mil hectares, composto por parte da Floresta Nacional de Carajás, mais precisamente a área conhecida como “Serra do  Tarzan” e que fica próxima aos projetos Sossego e 118. Também irá integrar o Parque, a “Serra da Bocaina”, localizada entre a PA 160 e o Rio Parauapebas.

De acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), as unidades podem ser de uso sustentável ou de proteção integral.
O Parque Nacional Campos Ferruginosos de Carajás se encaixa no critério de proteção integral, onde não há a exploração direta de recursos naturais. A área será voltada para a preservação dos ecossistemas naturais de grande relevância ecológica, suas espécies de fauna e de flora raras e típicas da região e seus ecossistemas aquáticos. O uso de seus atributos naturais será exclusivo principalmente para pesquisa científica e ações de educação ambiental e recreação, além do turismo ecológico. Outro exemplo de unidade na categoria de uso sustentável é Floresta Nacional de Carajás, que concilia a exploração dos recursos naturais com a conservação da biodiversidade.

Com a alarmante crise hídrica no sudeste do Pará, a comunidade de Parauapebas terá outro ganho importante para o município. A criação do
Parque Nacional garantirá a proteção dos mananciais que abastecem o rio Parauapebas.

Para a implantação do Parque, o ICMBio, órgão do Ministério do Meio Ambiente, responsável pela criação e gestão das unidade de conservação federais do Brasil, promoverá consultas à população de Canaã dos Carajás e Parauapebas no final deste mês. Nos eventos, serão apresentadas mais informações sobre a proposta, seus benefícios e consequências. Na oportunidade, a população e instituições poderão opinar e contribuir nas tomadas de decisão, para definição sobre criação, a localização, as dimensões e os limites da unidade.

Publicidade

Veja
Também