Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Indústria mineral volta a demitir e dois municípios do PA estão entre os piores; saiba quem são

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Enquanto os efeitos práticos da transformação do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) em Agência Nacional de Mineração (ANM) e da modernização do Código de Mineração não saem do papel e não rompem a burocracia do Governo Federal, o Brasil demite profissionais de mineração. A Associação Paraense de Engenheiros de Minas (Assopem) levantou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregos (Caged), divulgado na última sexta-feira (20), que apontam: em junho, a indústria extrativa mineral fechou 88 vagas, pondo fim na sequência positiva de retomada de oportunidades. Desde 2014, a indústria mineral do país não fecha junho no azul.

No mês passado, o país contratou 2.877 trabalhadores da mineração e demitiu 2.965, fechando no vermelho. Por sorte, no acumulado do ano, o saldo é positivo: 1.169 empregos.


TEM PARAENSE NO MEIO

A coisa está feia para as bandas de Paragominas e Oriximiná. Esses municípios paraenses estão entre os que mais demitem trabalhadores da mineração no Brasil. Com 40 mandados ao olho da rua, Paragominas é o 7º lugar com menos chances de encontrar oportunidades. Oriximiná, com novos 39 desempregados, é a 8ª praça de demissão do país. Só enfrentam situação pior os municípios de Pedra Branca do Amapari (AP), com 133 demitidos; Itabira (MG), com 90; Fortaleza de Minas (MG), com 58; Paranaguá (PR), com 51; Rio das Ostras (RJ), com 49; e Mariana (MG), com 41.

No outro extremo, o maior produtor de minério de ferro de alto teor do mundo foi o campeão junino da geração de postos de trabalho no setor mineral: Parauapebas criou 48 empregos com carteira assinada, seu melhor desempenho nos últimos quatro anos, período em que passou a viver um inferno astral, com milhares de baixas no mercado de trabalho. Marabá (com 16 postos) e Curionópolis (com 13) também ajudaram a minimizar os prejuízos na indústria mineral causados por Paragominas e Oriximiná.

Em junho, mesmo com o Brasil demitindo, o setor mineral paraense fechou positivo em 37 vagas.

Fonte: Assopem

Publicidade

Veja
Também