IPVA mais caro em 2022: o que fazer para pagar em dia e não cair na inadimplência

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O IPVA é, sem dúvida, uma das dores de cabeça do início de ano para os proprietários de veículos. E, em 2022, ele veio com um fator a mais de preocupação, como explica a professora e coordenadora do Curso de negócios da Faci Wyden, Samara Felipe.

Segundo ela, é importante ter alguns cuidados, principalmente porque “o setor automotivo foi muito castigado pela pandemia, o que inevitavelmente vai surtir efeito diretamente no bolso do consumidor final”.  O preço dos veículos novos e usados subiram em média 31%, devido à queda na produção, em virtude ainda dos efeitos da pandemia, dentre outros motivos a falta de componentes, como os chips, o que tem encarecido os custos de produção.


“A principal dica para evitar o atraso no pagamento do IPVA é realizar o planejamento financeiro, pois no começo do ano surgem as contas extras, como é o caso do material escolar ou o parcelamento de compras no cartão de crédito. Esse planejamento ajuda bastante no controle dos gastos e da receita. Outra medida importante que pode ajudar neste momento é ganhar uma renda extra como alternativa. Também é possível negociar o parcelamento do IPVA em até três vezes. É importante ressaltar que o atraso no pagamento ocasiona dívida ativa no CPF do contribuinte “, destaca também a professora do curso de Ciências Contábeis da Estácio, Nazaré Reis.

Quem dirige com o IPVA em atraso, comete infração gravíssima, com previsão de multa de R$293,47 e remoção do veículo como penalidade e medida administrativa, de acordo com artigo 230 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).  A cobrança do IPVA é feita por notificação extrajudicial, com correspondência enviada ao proprietário do veículo. Se o valor não for pago em 30 dias, os bens podem ser penhorados, inclusive, os de conta bancária.

Para saber quanto você vai pagar de IPVA, consulte o valor do seu carro na tabela Fipe. Depois multiplique pela alíquota que o Estado cobra.

veja também