Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Joaquim, o biólogo que vende picolé e quer se formar em Engenharia de Produção

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

“Seu” Joaquim percorre os bairros Guanabara, Da Paz, Cidade Jardim, Nova Carajás, VS 10, entre outros, para vender picolé e sorvete

Muita gente já viu um senhor simpático, calado e educado, empurrando um carrinho e vendendo picolé e sorvete pelas ruas de Parauapebas, no sudeste do Pará. Mas o que a maioria não sabe é que o baiano Joaquim Moreira de Santana, de 57 anos, é formado em Biologia, tem o curso de magistério e até o primeiro semestre de 2020 se forma em Engenharia da Produção na Faculdade Unisa, pretende fazer pós-graduação e depois mestrado. (A mensalidade da faculdade é em torno de R$ 500,00). Ele fez o curso de Engenharia de Produção de 2014 a 2017, parou em 2018 por causa de problema de saúde e voltará a estudar no segundo semestre deste ano. Otimista e determinado, já até escolheu o tema de seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso): “Tecnologia do século 21”.

Ele nasceu em Carinhanha, cidade que fica no oeste do estado da Bahia, às margens do Rio São Francisco, quase na divisa com o norte de Minas Gerais e a 788 quilômetros de Salvador. É filho do pequeno agricultor Rui Manoel Moreira e da dona de casa Maria Santana Moreira. Os pais são separados. A mãe mora com ele e o irmão Donizete (separado) no bairro Tropical em Parauapebas e o pai ainda mora na Bahia. O outro irmão João Batista Moreira de Santana, mora em Novo Repartimento. O irmão Aparecido Moreira de Santana morreu em maio de 2015 em Itaituba (PA).


“Seu Joaquim” nunca se casou e nem teve filhos nos poucos relacionamentos que teve durante a vida, que duraram em média um ano ou dois, no máximo.

Joaquim Moreira nasceu na Bahia e veio em 1988 para o Pará

 

Joaquim Moreira saiu do interior da Bahia e em 1988 e foi morar em Goianésia (PA), a onde ficou por sete anos e fez um pouco de tudo para sobreviver. Depois morou em Rondon do Pará, onde cursou Magistério e em seguida morou por 14 anos em Novo Repartimento, também no Pará, onde se formou em Biologia em 2011 numa faculdade particular e trabalhou por 10 anos como professor contrato daquele município.

No dia 24 de julho de 2013 “Seu” Joaquim chegou a Parauapebas. “Lembro bem do dia porque haviam acabado de matar um empresário (Altamiro Borba Soares, que era dono de uma rede de posto de gasolina)”. Nessa época, o saudoso irmão Aparecido morava em Parauapebas e Joaquim ficou um tempo na casa dele. Em Parauapebas, mesmo sendo biólogo e com experiência como professor, Joaquim Moreira não conseguiu emprego e foi trabalhar numa fazenda e depois como ajudante de pedreiro.

Há três anos, sem conseguir arrumar emprego em sua área – até entregou seu currículo em algumas escolas particulares, mas não obteve sucesso, ele resolveu vender picolé  e sorvete pelas ruas da cidade. A fábrica fica no bairro Nova Vida em Parauapebas. Ele começa a trabalhar entre 10h15 e 10h30 da manhã e vai até às 18h30.

O senhor vende quantos picolés e sorvetes por dia?

Vendo em torno de R$ 100,00 em sorvetes e picolés. Na venda do picolé eu ganho 40 centavos e na vida do sorvete eu recebo R$ 1,00”, informou Seu Joaquim, acrescentando que o sorvete mais vendido é o de açaí e quanto ao picolé as pessoas gostam mais de leite condensado e de açaí. Em média, ele consegue tirar R$ 1.200,00 por mês.

Mas para conseguir isso, ele anda muito e por onde passa já tem uma freguesia especial de empresários, comerciantes, comerciários e estudantes. Ele sai do Nova Vida por volta das 10h30 da manhã, cruza as ruas Marabá e Sol Poente, chega na Av. Liberdade, segue em direção ao bairro Nova Carajás, vai até UPA do bairro Cidade Jardim, depois pega a Av. dos Ipês, também no Cidade Jardim, volta e almoça no restaurante na área de um posto de gasolina perto do shopping da cidade. Em seguida, faz o caminho de volta pela Avenida Liberdade, segue pela Rua Bom Jardim, cruza os bairros da Paz e Guanabara e vai vender picolé e sorvete nos bairros da VS10. Haja perna e sola de sapato ou de botina, às vezes.

Quando o repórter pergunta qual o momento mais difícil da vida dele, “Seu Joaquim” responde, com ar de tristeza: “O momento mais difícil foi quando adoeci em 2018 por causa de diabetes, que chegou 495. Sofri muito”, revelou.

E o momento mais feliz?…….quis saber:

“Quando passei no vestibular para Biologia em Novo Repartimento e depois em 14 de dezembro de 2013, na Unisa, em Parauapebas, para Engenharia da Produção”. Aliás, ele disse que na faculdade todos os colegas sabem que ele vende picolé e sorvete e dão a maior força.

O que o senhor pensa do futuro?

Me formar em Engenharia de Produção, fazer uma pós-graduação, depois um mestrado, e paralelamente a isso, um curso de inglês, e depois ir trabalhar por conta própria, destacou o determinado Joaquim Moreira, que já fumou na vida, mas nunca consumiu bebida alcóolica e há seis anos frequenta uma igreja evangélica.

O que o senhor acha de Parauapebas?

Acho bom morar em Parauapebas, uma cidade de muito movimento e uma economia aquecida, disse ele.

LIVROS

O que o senhor mais gosta de fazer em seus momentos de lazer?

Gosto de ler.

Quantos livros o senhor já leu na vida?

Acho que já li mais de 200 livros dos mais diversos autores, incluindo: Machado de Assis, Clarice Lispector, Mário Quintana, Cecília Meireles, Carlos Drummond de Andrade, Olavo Bilac, Graciliano Ramos, Castro Alves, o maranhense Humberto de Campos, Casimiro de Abreu, o gaúcho Érico Veríssimo, muito bom aquele livro “O Tempo e o Vento”. Do baiano Jorge Amado eu gosto do romance “Gabriela, cravo e canela”, e gosto muito também do maranhense Gonçalves Dias, aquele da Canção do Exílio: “Minha terra tem palmeiras, onde canta o sabiá, as aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá”. E gosto muito dos poetas e escritores portugueses: Bocage (Manuel Maria Barbosa du Bocage, o mais importante poeta português do século XVIII, que nasceu em 1765 e morreu em 1805); e também o outro grande poeta e filósofo português Fernando Pessoa (que nasceu em Lisboa em 1888 e morreu em 1935), e Camões. (Luís Vaz de Camões, considerado uma das maiores figuras da literatura portuguesa, que nasceu em 1524 e morreu em 1580 em Lisboa, Portugal).

E qual o estilo de música que o senhor gosta?

Gosto do sertanejo nato. Tião Carreiro e Partinho, Tonico e Tinoco, Teodoro e Sampaio, Zé Rico e Milionário, André e Andrade, Irmãs Galvão, Irmãs Freitas, Gino e Geno, Di Paulo e Paulinho, entre outros.

E gosta de futebol? Qual seu time?

Gosto de Futebol e torço para Palmeiras e para o Parauapebas Futebol Clube, afirmou, ressaltando que quando jovem jogava até bem como médio volante.

Frustrações da vida

Muitas frustrações, especialmente, sentimentais. Amei mulheres e não fui correspondido. Mas ainda penso em arrumar uma companheira para terminar os meus dias de vida, revelou.

Como o senhor se sente vendendo picolé e sorvete nas ruas, tendo curso superior?

Me sinto envergonhado. Humilhado.

Mas vendedor de picolé e sorvete também é uma profissão digna, provoco ele….

– É, Lima, mas o povo olha pra gente com desconfiança, pensa que a gente é um elemento qualquer que nem sabe escrever e faz o pré-julgamento.

Às vezes as pessoas que julgam nunca leram os livros que o senhor já leu….

– Ah, com certeza…faço é apostar que nunca leram.

E finalizando a entrevista, antes que eu desligasse o gravador, perguntei o que ele acha da Biologia e Seu Joaquim respondeu:

A biologia, a física e matemática são fundamentais para a ciência, afirmou o biólogo e picolezeiro, que sonha em arrumar um emprego como professor e voltar para a sala de aula e transmitir seus conhecimentos para os alunos de escolas públicas ou particulares.

Repercussão

Joaquim Moreira de Santana é um exemplo de vida para todos, como destacou o empresário Aroldo Sena, que tem uma loja na Av. Liberdade, no Bairro da Paz, por onde “Seu Joaquim” sempre passa para vender picolé e prosear um pouco:

 

– Tenho certeza que ele é o exemplo para a gente. Exemplo para a vida de cada um de nós. Exemplo de perseverança e honestidade. Ele está ganhando a vida é na botina. É no pé todos os dias. Então, nada do mais que digno o que você está fazendo em homenagem a um homem desse, em reconhecimento ao trabalho dele e ao que ele está fazendo e sobre a perspectiva de vida. Pela idade que ele tem ainda corre atrás de algo mais na vida. Para mim ele é um grande exemplo. Conheço Seu Joaquim há uns dez meses e nesse período venho acompanhando ele todos os dias, ganhando a vida no sapato, com o picolé. Isso para mim é um grande exemplo que vou levar por toda vida para mim, para meus filhos e para todas as pessoas que eu conhecer. Por isso é que nós estamos aqui conversando sobre o Seu Joaquim, disse o empresário Aroldo.

O empresário Aroldo Sena disse que a determinação do picolezeiro Joaquim Moreira serve de exemplo para todos nós

 

O casal Yuri da Silva Pereira e Tássia  Pereira,  de Dom Elizeu (PA), que mora na Vs10 em Parauapebas comprou picolés do Seu Joaquim durante a entrevista. O casal estava com o filho Isaac, de 4 anos.

O casal Yuri e Tássia sempre compra picolé de “Seu” Joaquim, juntamente com o filho Isaac, de 4 anos

 

– Sempre que posso eu compro o picolé ele. É gostoso. Não sabia que ele tem curso superior. É complicado. Ele tem curso superior e experiência e não parou no tempo. Continua estudando para se formar em outro curso. É um exemplo para todos nós, afirmou o vigia Yuri da Silva, de 31 anos.

O mototaxista Jadson da Silva, do bairro Nova Vida, que veio de Santa Helena do Maranhão, e mora em Parauapebas há 12 anos, é casado e pai de um filho, enquanto aguardava a esposa em frente à Praça da Faruk Salmen, elogiou a determinação do sorveteiro e picolezeiro Joaquim Moreira.

O mototaxista Jadson da Silva ficou surpreso ao saber que “Seu” Joaquim tem curso superior e está fazendo mais um em uma faculdade de Parauapebas

 

– Meus Deus, um cara desse é guerreiro demais. O cara arrumar tempo para estudar nesse dia a dia corrido é demais. Eu vejo ele sempre pela rua, mas nunca imaginei que ele tivesse curso superior. É um grande exemplo para todos, afirmou.

Ao ser informado que Seu Joaquim já leu mais de 200 livros, o Jadson reagiu: “Acho que não li nem cinco livros durante minha vida. Meus Deus do Céu. Agora a gente vê que o Brasil é desigual. O povo vê ele e acha que é só mais um vendedor de picolé, sem menosprezar quem vende picolé, que exerce uma profissão digna. Mas ele tem curso superior e está concluindo o segundo curso superior. Por isso que o Brasil está como está porque gente qualificada não consegue ocupar um cargo e exercer sua profissão”, desabafou Jadson da Silva, que trabalha há dois anos como mototaxista em Parauapebas.

Publicidade

Veja
Também