Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Juiz Federal do Trabalho apresenta Projeto “Escravo nem pensar” em Tucumã

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O município de Tucumã, localizado na PA-279, na região sudeste paraense, recebeu pela a primeira vez a edição do projeto da ONG Repórter Brasil denominado “Escravo nem Pensar”. A iniciativa tem por objetivo identificar e tonar públicas as situações que ferem direitos trabalhistas e causam danos socioambientais no Brasil, visando a mobilização de lideranças sociais, políticas e econômicas para a construção de uma sociedade com respeito aos direitos humanos, mais justa, igualitária e democrática.

O juiz federal da 2° Vara Trabalhista da 8ª Região, sediada em Marabá, Dr.Jônatas Andrade (foto), esteve em Tucumã no último fim de semana e classificou o evento como magnifico. De acordo com o magistrado, os alunos do ensino infantil e fundamental demostraram, com criatividade e reprodução das mesmas condições, como se pratica o trabalho escravo, apresentado em pedagogia adequada, em especial para o público infantil. “Isso é muito importante para o projeto que inicialmente era restrito a um município e hoje já alcança proporções regionais. Antes eram apenas quatro municípios na região e agora já são mais de vinte, passando de vinte mil para trinta e trinta e três mil participantes alcançados pelo projeto “Escravo nem Pensar”, informou o magistrado.


Foi a primeira vez que o município de Tucumã recebeu um evento desta magnitude para falar abertamente sobre as maneiras e os desafios de como combater o trabalho escravo e infantil na região. A organização contou com a participação direita da Prefeitura de Tucumã, através da Secretaria Municipal de Educação, que organizou e mobilizou todas as escolas municipais com apresentações de diversas formas e situações em que se pratica o trabalho escravo no município e região.

ONG Repórter Brasil

A Repórter Brasil foi fundada em 2001 por jornalistas, cientistas sociais e educadores com o objetivo de fomentar a reflexão e ação sobre a violação aos direitos fundamentais dos povos e trabalhadores no Brasil. Devido ao seu trabalho, tornou-se uma das mais importantes fontes de informação sobre trabalho escravo no país. Suas reportagens, investigações jornalísticas, pesquisas e metodologias educacionais têm sido usadas por lideranças do poder público, do setor empresarial e da sociedade civil como instrumentos para combater a escravidão contemporânea, um problema que afeta milhares de pessoas.

Projeto “Escravo, nem pensar”

Este é o primeiro programa educacional de prevenção ao trabalho escravo a atuar em âmbito nacional. Com o desenvolvimento de metodologia educacional própria, desde 2004 o ENP! atua em comunidades em áreas de alta vulnerabilidade social, suscetíveis a violações de direitos humanos como trabalho escravo e tráfico de pessoas. Suas linhas de ação incluem formação para educadores e lideranças comunitárias; elaboração de publicações didático-pedagógicas; e apoio técnico-financeiro a iniciativas comunitárias locais. Tais atividades já alcançaram mais de 140 municípios em oito estados brasileiros, beneficiando mais de 200 mil pessoas. O programa também foi incluído nominalmente na segunda edição do Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo e consta como meta ou ação de planos estaduais como os do Mato Grosso, Pará, Tocantins e Maranhão. É considerado referência e citado como exemplo por agências das Nações Unidas.

Reportagem: Zé Dudu / Com informações de Roney Wydiamaior

Publicidade

Veja
Também