Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Julgamento do assassinato de agente do DMTT é realizado em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Foi realizado durante a última quinta-feira (24) o julgamento do assassinato que chocou Parauapebas no ano de 2013, quando em pleno exercício de seus trabalhos, o até então agente do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte de Parauapebas (DMTT), Geraldo Nunes Rodrigues foi assassinado com golpes de faca.

Quem foi  julgado como cúmplice do crime, foi Luís Carlos da Conceição, pai de Jorge Luís, jovem que se encontra foragido da Justiça e que é acusado pelo assassinato do agente de trânsito.


A sentença de Luís Carlos da Conceição foi lida pelo juiz de Direito titular da Vara Criminal da Comarca de Parauapebas, Líbio de Araújo Moura e o réu foi condenado a pena base de 14 anos de reclusão.

Relembre o crime

O assassinato do agente de trânsito Geraldo Nunes Rodrigues da Silva em pleno exercício de suas funções, lotado no Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT) ocorreu por volta das 19h30 do dia 31 de agosto de 2013 no estacionamento do Parque de Exposições Agropecuárias de Parauapebas durante a FAP.

Figuram como autores do brutal homicídio o jovem Jorge Luís Santos da Conceição, que na época tinha 23 anos, que, segundo a polícia, desferiu os dois golpes de faca nas costas do agente de trânsito, deixando a faca cravada, e se encontra foragido, e Luís Carlos da Conceição, pai de Jorge Luís, coautor do crime.

Relembre os fatos

Segundo informou o investigador de Polícia Civil Reginaldo Alves no Boletim de Ocorrência, baseado em informações colhidas dos agentes de trânsito Carlos André Furtado Marinho e Ronaldo Lima de Sousa, a vítima acabara de apreender nas proximidades do estacionamento do Parque de Exposições Agropecuárias uma motocicleta marca Honda modelo Biz sem documentação do condutor e do veículo, sem capacete e com excesso de passageiro, colocara num caminhão guincho e se dirigia para o pátio do DMTT, quando fora alcançado, a cerca de 400 metros do parque, por Luís Carlos e o filho Jorge Luís.

Ao ser abordado, ainda segundo o IPC, o agente Geraldo Rodrigues foi retirado à força do interior da cabine do carro guincho por Jorge Luís e aí se travou uma luta corporal entre ambos, com Luís Carlos e Jorge Luís tentando a todo custo retirar a moto de cima do guincho.

Como não conseguiu resgatar a motocicleta, continua o investigador Reginaldo Alves, Jorge Luís foi até o porta-luvas de uma camioneta S10 pertencente ao pai dele, apoderou-se de uma faca (punhal), correu atrás do agente de trânsito, que caiu ao chão e foi atingido por dois golpes nas costas. Socorrido, Geraldo Rodrigues foi levado às pressas ao hospital municipal, mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes mesmo de receber atendimento hospitalar.

Os agentes de trânsito Carlos André e Ronaldo de Sousa ainda correram atrás de Jorge Luís, mas ele conseguiu escapar em direção ao loteamento Nova Vitória, às margens da estrada de acesso à ferrovia, onde reside o acusado.

A equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar está acompanhando o julgamento e a qualquer momento posta mais detalhes.

Publicidade

Veja
Também