Justiça decreta prisão de 13 policiais que estavam em conflito agrário em Pau D’arco

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) está garantindo total apoio logístico e operacional para o cumprimento dos mandados de prisão preventiva de 13 dos 29 policiais que compunham a missão realizada no dia 24 de maio deste ano, pela Polícia Civil com apoio da Polícia Militar, no município de Pau D’Arco, que culminou com a morte de dez pessoas. A prisão preventiva foi solicitada pelo promotor de justiça Alfredo Amorim, um dos quatro promotores que conduzem a investigação especial sobre o caso, pelo Ministério Público.

Entre os onze policiais militares estão dois oficiais, ambos já custodiados na sede da Polícia Federal em Belém, conforme acordo da PF com a Segup. Os demais militares se apresentaram espontaneamente ao V Comando Regional da Polícia Militar em Redenção, onde aguardam transferência para Belém.


Os dois policiais civis, ambos investigadores, também se apresentam espontaneamente em Belém e ficarão sob custódia para prestar esclarecimentos. Todos deverão ficar no Comando de Missões Especiais e no Batalhão de Polícia Ambiental.

O procurador geral do Ministério Público, Gilberto Valente, foi a Redenção orientar o pedido de prisão, acatado pelo juiz. A Secretaria de Segurança Pública, por meio do V Comando Regional da PM e da Superintendência Regional da Polícia Civil, também está dando o suporte logístico e colaborando para o cumprimento dos mandados.

A Segup reforça ainda que vem trabalhando em conjunto com o Ministério Público e Polícia Federal com o objetivo de garantir a lisura e precisão dos inquéritos, laudos e depoimentos, em busca do objetivo maior que é a conclusão das investigações, que são conduzidas com absoluto rigor, transparência e isenção.

Publicidade

veja também