Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Justiça determina que servidores da educação voltem aos seus trabalhos, porém, a greve continua em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Logo após a manifestação, ocorrida na última quinta-feira, 7, atendendo à petição de Liminar impetrada pelo Município de Parauapebas o juiz Danilo Alves Fernandes, determinou em sua decisão que os servidores grevistas retornem aos respectivos trabalhos.

A decisão é dada a todos os grevistas filiados ou não ao SINTEPP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará); devendo ainda os servidores, grevistas, filiados ou não ao sindicato requerido, abstenham-se de impedir o livre acesso da população, sejam alunos, pais ou servidores que não tenham aderido ao movimento, e quaisquer outras pessoas, aos prédios onde funcionam os respectivos serviços públicos.


O descumprimento pelo sindicato ou outros envolvidos no ATO DE GREVE implica pagamento de multa diária de R$50.000,00 (cinquenta mil reais). A penalidade se aplica tanto ao coordenador do SINTEPP, RAIMUNDO PEREIRA MOURA MARTINS, como também a qualquer outro envolvido que não acate a decisão judicial.

Mais protestos – Mas nem isso inibiu os grevistas que fizeram na manhã de sexta-feira, 8, um ato na Prefeitura Municipal de Parauapebas ocupando, inclusive, o rol de entrada do ‘Palácio do Morro dos Ventos’, onde com palavras de ordem e faixas brigavam pela abertura da mesa de negociação.

A coordenação foi recebida por Wanterlor Bandeira, chefe de gabinete do prefeito Valmir Mariano, e este se comprometeu em reabrir a mesa de negociação; ato que deverá ocorrer nesta semana. “A greve continua e as escolas municipais, ao contrário do que noticia o governo municipal, continuam paradas”, garante um dos coordenadores do SINTEPP, Rosemiro Laredo, ele afirma que assim como uma greve tem aprovação da assembleia o encerramento dela passa pelo mesmo processo.

Sobre a liminar judicial que manda a suspenção da greve, ele diz que o advogado da entidade já recorreu e tudo será decidido na justiça. Ele conta que em todas as greves o “rito” é o mesmo: o governo tenta inibir com liminar e ameaça de multas exorbitantes.

Reportagem: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também