Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Justiça nega pedido de afastamento e vereador Braz continua presidente da Câmara

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (8) que inúmeras informações falsas davam conta que o vereador e atual Presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, Ivanaldo Braz Silva Simplício (PSDB), teria sido preso e afastado de suas funções.

Por sua vez, a Assessoria de Braz divulgou a imprensa uma nota rebatendo as informações mentirosas, confira abaixo:


“Em decorrência dos boatos que circulam nas redes sociais, dando conta que o vereador Ivanaldo Braz teria sido preso por agentes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado) nesta manhã de quinta-feira (8) e encaminhado para Marabá, o gabinete do parlamentar informa que:
Nesta quarta-feira (7), um irmão de Ivanaldo Braz, Irisvaldo Simplício, sofreu um princípio de AVC (Acidente Vascular Cerebral) e toda família se mobilizou em torno da recuperação da saúde do mesmo. Diante do ocorrido, a movimentação de parentes e amigos na residência de Braz foi intensa desde quarta até hoje. No início da noite, Irisvaldo foi encaminhado por familiares para o Hospital Regional de Marabá, onde permanece internado em estado grave.
Ivanaldo Braz, que se encontra em Marabá desde ontem (quarta-feira), acompanhando o irmão, lamenta profundamente neste momento de dor ser bombardeado com informações mentirosas e sem fundamento, que tentam tão somente deixar a comunidade confusa e conturbar o processo eleitoral em curso.
O vereador reitera seu compromisso com a comunidade e com a verdade”.

O suposto afastamento de Braz está ligado a um pedido feito pelo Ministério Público Estadual do Pará que vem investigando através do Núcleo de Combate à Improbidade Administrativa e Corrupção (NCIC) e com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) uma nova fase da Operação Filisteu que investiga denúncias de fraudes em contratos e licitações em empresas que prestam serviço para a Câmara de Vereadores da cidade de Parauapebas, porém, a Justiça negou o pedido.

Publicidade

Veja
Também