Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

LEISHMANIOSE: APAMA entrega manifesto aos vereadores de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Preocupada com o alto índice de casos de leishmaniose no município, a Associação dos Protetores dos Animais e Meio Ambiente de Parauapebas (APAMA), encaminhou manifesto à Câmara Municipal de Vereadores, pedindo a urgente implantação de um Centro de Controle a Zoonoses (CCZ).

A presidente da APAMA, Byanka D’lavor Teixeira da Silva, acompanhada de outros membros da entidade, esteve na sessão legislativa ocorrida na manhã desta terça-feira (8), naquela Casa de Leis, quando, de forma pacífica, apresentou seu apelo para a solução do problema.


A respeito dos casos de leishmaniose, ela disse ser preocupante, tendo em vista que os vários casos confirmados tendem a aumentar.
Logo no início da sessão, o manifesto da APAMA foi lido pelo secretário da mesa diretora da Câmara Municipal.

Confira na íntegra o conteúdo do manifesto:

“A APAMA é uma Organização não Governamental, nascida há 6 anos, na cidade de Parauapebas.
Como ONG, ela busca preencher, através de suas atividades, uma lacuna deixada pelo poder público no que diz respeito aos cuidados com os animais vitimados aos milhares com os maus tratos, as doenças e o abandono. É dever do poder público garantir o cumprimento da lei em relação aos direitos dos animais, já consagrados em nossa legislação, mas que infelizmente, por desconhecimento, descaso e/ou omissão, nossas instituições não dão as respostas necessárias para este tema.
Assim sendo, a APAMA tem lutado duramente para fazer o que o estado não faz. Nosso trabalho é feito através da valiosa colaboração de nossos voluntários, que doam parte de seu tempo, suas ideias, sua mão-de-obra e, principalmente, seu amor. Contamos, também com o inestimável apoio de vários doadores, muitos deles anônimos, que nos ajudam com ração e dinheiro para pagar as despesas dos tratamentos emergenciais que fazemos para aliviar a dor dos animais resgatados e até mesmo salvar algumas vidas. Somam-se aos voluntários e colaboradores os médicos veterinários que doam, facilitam e barateiam tratamentos, cirurgias, vacinações, castrações e demais procedimentos.
A APAMA se faz relevante na medida em que ajuda a conscientizar a população sobre os cuidados que devem ser tidos com os animais, o combate ao abandono e aos maus tratos, o incentivo à castração segura e à adoção responsável. Tudo isso ajuda a ampliar ainda mais o impacto das boas ações da ONG.
É importante lembrar que Parauapebas conta com uma população de cães e gatos maior que a população de humanos de vários municípios paraenses. E isso gera um enorme problema de saúde pública, pois esses animais podem ser transmissores ou receptores de zoonoses. Entende-se por zoonose a doença que pode ser transmitida de humanos para animais e de animais para  os humanos.
A Leishmaniose é uma dessas doenças. E pode ser mortal. Não adianta tentar tapar o sol com a peneira. Parauapebas vive um surto de leishmaniose. Diversas pessoas foram diagnosticadas com a doença, muitas delas são crianças. Diversas outras pessoas estão contaminadas, mas confundem os sintomas da leishmaniose com o de outras doenças, o que é muito perigoso, pois não se faz o tratamento adequado para a doença certa.
É preciso dizer que leishmaniose mata. Mata cães e mata humanos. O poder público tem que agir.
Também é importante dizer que o cachorro não é o vilão dessa história. Ele é vítima. Quem transmite a doença é o flebótomo conhecido como “Mosquito Palha”. Ele é o verdadeiro vilão, e é fruto da invasão de áreas de mata, além da grande falta de saneamento que lastima nosso município. O esgoto a céu aberto que toma conta de incontáveis ruas de Parauapebas ajuda na proliferação desse mosquito. Portanto, senhoras e senhores, pode-se afirmar categoricamente que a falta de saneamento básico é um fator multiplicador dos casos de leishmaniose.
Também é urgente que seja construído um Centro de Controle de Zoonoses para cuidar de diversos temas relativos à essas doenças. A leishmaniose é apenas uma delas. Uma cidade com mais de 200 mil habitantes, que conta com valores astronômicos oriundos dos royalties da mineração, que se diz capital nacional do minério e terra de prosperidade, deveria tomar essa iniciativa de fazer o CCZ, que teria como missão promover um programa de castração em massa para diminuir a reprodução desenfreada de cães e gatos. Tudo isso, obviamente, de acordo com as normas estabelecidas pela medicina veterinária, castrando de forma adequada, sem causar sofrimento desnecessário aos caninos e felinos.
Quanto mais intenso for o programa de castração em massa, menos animais vão perambular pelas ruas no futuro, diminuindo o número de acidentes, ataque e transmissões de doenças, além de reduzir o trabalho do próprio Centro de Controle de Zoonoses.
Em razão de diversas histórias tristes para os animais e para os humanos, muitas delas com perdas de vidas para os dois lados, é que nos manifestamos a favor do que segue abaixo:
1- Construção de um Centro de Controle de Zoonoses;
2- Programa de castração em massa (com segurança para os animais);
3- Campanha constante de conscientização da população sobre os cuidados com os animais;
4- Combate ao abandono;
5- Campanha de incentivo à adoção responsável;
6- Combate à tortura a aos maus tratos, com punição severa para os criminosos;
7- Forte programa de saneamento básico, principalmente na periferia da cidade;
8- Oferta de teste de Leishmaniose para humanos em toda a rede pública;
Se isso for feito, Parauapebas dará um grande salto no que diz respeito aos temas de saúde pública, controle populacional animal e saneamento básico, aumentando significativamente seu IDH, e consequentemente ganhará destaque nacional.
É isso o que a APAMA deseja enquanto ONG, mas acima de tudo enquanto união de pessoas de bem e que querem uma saúde pública de qualidade e o respeito aos direitos dos animais”.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também