Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Listão traz empobrecimento de Parauapebas e enriquecimento de Marabá

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Nesta última segunda-feira (25), saiu o ranking atualizado das receitas e despesas das prefeituras brasileiras, com base em dados do Tesouro Nacional obtidos por meio das declarações prestadas por elas mesmas ao final de cada exercício. É uma espécie de listão de ricos e pobres do país, em termos de orçamento.

A Prefeitura de Parauapebas, que era a 52ª mais rica do Brasil em 2014, com receita total de R$ 1,05 bilhão, caiu para a 58ª colocação. Segundo informações prestadas pela própria prefeitura e disponíveis no Portal da Transparência, o Executivo local “empobreceu” mais de R$ 100 milhões de 2014 para 2015, em razão da redução sobremaneira da arrecadação de royalties de mineração dos projetos localizados na Serra Norte de Carajás.


Mesmo assim, o grande destaque entre as 100 prefeituras mais ricas do Brasil veio do Pará. Foi a Prefeitura de Marabá a que mais galgou postos, de acordo com dados disponíveis no Tesouro Nacional. Contrariando a situação de Parauapebas, as finanças de Marabá foram turbinadas pela arrecadação de royalties a partir do projeto Salobo, da multinacional Vale. Marabá enricou mais de R$ 80 milhões entre 2014 e 2015, com sua receita total passando de R$ 640 milhões para R$ 724 milhões. Em 2014, o município tinha a 93ª prefeitura mais rica do país e, um ano mais tarde, já era a 87ª.

Outro destaque é a capital paraense, Belém, que passou de 16º mais importante município do Brasil para 14º, com receita na casa dos R$ 3 bilhões.

É notório como os municípios paraenses têm prefeituras pujantes, que desbancam municípios importantes de estados tradicionalmente ricos e desenvolvidos, como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Por que será, então, que, apesar de financeiramente ricas, as prefeituras paraenses condenam seus munícipes a serviços sociais básicos precários, sebosos, vexatórios, e a índices de desenvolvimento humano cambaleantes? É mistério…

Reportagem: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também