Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

LUCRO BILIONÁRIO: Com cortes de espadachim, Vale reverte prejuízo em lucro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A mineradora Vale divulgou na manhã desta quinta-feira (30) seu resultado financeiro referente ao segundo trimestre deste ano. Apresentado num relatório descritivo de 58 páginas, além do lucro anunciado de quase R$ 5,2 bilhões e que superou as expectativas do mercado, o que chama atenção no resultado foi o esforço arrojado da mineradora para cortar gastos e que, brilhantemente, surtiu efeito.

Entre as tesouradas, três dizem respeito diretamente à região de Carajás. A baixa no custo de produção do minério da Serra Norte de Carajás, em Parauapebas, talvez seja o que ocorreu de melhor. Isso porque os investimentos de décadas realizados no complexo do Sistema Norte para geração de caixa livre resultou na queda do custo de produção do minério de ferro a 12 dólares por tonelada em junho deste ano, considerando-se a passagem do produto desde mina e usina até embarque em ferrovia e porto. É um desempenho excepcional porque o custo de produção do minério de ferro de Parauapebas se coloca muito abaixo da mínima atingida pelo preço de venda este ano (44 dólares a tonelada).


Outro ponto diz respeito à readequação, para menor, dos investimentos previstos na Serra Sul de Carajás, em Canaã, para o projeto S11D, garantindo o mesmíssimo desempenho, inclusive estando o empreendimento com 67% de avanço físico.

Por último, e não menos importante, está a redução com pessoal, que passou de 100 milhões de dólares para 74 milhões, o que implicou política inoxidável de revisão de contratos e de benefícios, já que, em apenas um ano, a redução de gastos com pessoal cravou impressionantes 26%, embora a empresa justifique sempre que o ritmo de suas demissões esteja bem abaixo da média da indústria brasileira de mineração e siderurgia. No relatório, a Vale alega ter gasto 46 milhões de dólares com o efeito “one-off” do pagamento do acordo coletivo para empregados em áreas remotas das minas de Carajás.

Reportagem: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar
Foto: Arquivo

Publicidade

Veja
Também