Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Mães reclamam da falta de vacinas em unidades de saúde de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Márcia, Paulinha, Solange, May, Arleny, Alyne e tantas outras, são pessoas reais, mães que vivem entre a felicidade e a preocupação. Felicidade por ter filhos que nasceram saudáveis; preocupadas por imaginar que a qualquer momento podem ser surpreendidas com uma doença incurável apresentadas em seus filhos.

“Imagine uma criança que nasceu saudável, de repente ser condenada a viver o resto da vida em uma cadeira de rodas, por não ter sido vacinada contra paralisia infantil, por exemplo”, alerta Arleny Oliveira, contando ter vacinado seu filho em outra cidade, mas já se preocupa com a próxima dose, que deverá ser ministrada no dia 28 deste mês, abril.


O motivo da preocupação é a falta de vacinas nas unidades de saúde de Parauapebas, direito das crianças que deve ser cumprido pelo Município através do Ministério da Saúde.

Para a filha de Márcia, falta a vacina Pentavalente, eficaz na prevenção de difteria, tétano, coqueluche, meningite por Haemophilus influenza tipo b e poliomielite; já Paulinha diz que não tem encontrado nos Postos de Saúde de Parauapebas a vacina meningocócica, utilizada para prevenir as doenças provocadas pela bactéria Neisseria meningitidis do sorogrupo C, esta bactéria pode ser a causa de infecções graves, as vezes, até fatais, como a meningite e a sepse; e a vacina contra a febre amarela.
Solange também espera a chegada da vacina pentavalente e febre amarela.
Para o filho de May, vacina febre amarela. Jéssica conta que não encontrou a vacina meningocócica. E Alyne aguarda a vacina poliomielite, tríplice viral e tríplice bacteriana.

Assim, diversas crianças estão com as vacinas “atrasadas” em Parauapebas; trocando em miúdos, com as “janelas abertas”, sem a devida imunidade, o que possibilita a entrada de diversos males.

Ministério da Saúde é o responsável

Procurada pela nossa equipe de reportagens, a Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA), através da Assessoria de Comunicação (ASCOM), informou que solicita regularmente estoques de doses de vacinas fornecidas pelo Ministério da Saúde por meio do Plano Nacional de Imunizações (PNI), mas em alguns casos, recebe quantidade inferior à solicitada. Penta valente, tríplice viral e meningocócica, por exemplo, estão entre as vacinas que chegam em pouca quantidade; mensurando que ao solicitar duas mil doses, apenas 500 doses são recebidas pelo município.

A SEMSA informou ainda que recebeu estoques de vacinas na última terça-feira, 24, e abasteceu todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município ainda na quarta-feira, 25.
A alegação apresentada pelo Ministério da Saúde, de acordo com o repassado pela SEMSA à nossa redação, é que enfrenta dificuldades na produção de vacinas, o que vem gerando a falta em todo o país. Por fim, a SEMSA assegura que toma todas as providências necessárias para receber estoques suficientes para as unidades de saúde do município.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também