Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Marabá tem melhor julho de empregos dos últimos 5 anos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

No mês passado, o município foi o terceiro do Pará em criação de postos com carteira assinada, com 414 novas vagas abertas, atrás de Altamira (818 vagas) e Belém (419).

Parece contradição, e é, mas Marabá conseguiu bater um recorde positivo num Brasil que bateu recorde negativo em se tratando de carteira assinada. De qualquer modo, o município saiu do pelotão dos 100 que mais desempregam no Brasil, no acumulado do ano, do qual atualmente fazem parte Belém, Altamira e Parauapebas.


A explicação para o “boom” de empregos em apenas 31 dias, contrariando a tendência de meses anteriores, está na construção civil. De acordo com dados do Ministério do Trabalho e Emprego, o setor da construção civil marabaense voltou a crescer, abrindo consigo vagas para mestres de obras, pedreiros, carpinteiros, serventes e armadores. Além dessas profissões, foi mais fácil encontrar emprego para auxiliar de escritório, motorista de caminhão, mecânico em diversos ramos e zelador. Com isso, o comércio municipal vai ganhar o reforço de mais R$ 704 mil em massa salarial todo mês.

A expectativa, com base nos dados do Ministério, é que o principal município do Sudeste Paraense encerre 2015 com saldo líquido positivo de empregos, já que no acumulado dos sete meses do ano o saldo ainda é negativo. E que, até lá, os anjos digam amém.

PARÁ LIDERA

Puxado por municípios como Marabá, Altamira e Canaã dos Carajás, o Estado do Pará apresentou em julho seu melhor mês em 2015 em geração de empregos. Aliás, o Pará figurou em julho como o Estado que mais gerou empregos no país, com 2.634 vagas com carteira assinada. Seguido do Pará, seu vizinho Maranhão também mandou ver: 2.121 novas vagas com carteira assinada para os cidadãos maranhenses.
Enquanto isso, o “Sul Maravilha” cai em desgraça, com demissões em massa em São Paulo (38.109 postos), Rio de Janeiro (19.457 postos), Rio Grande do Sul (17.818 postos) e Minas Gerais (16.712 postos). Das 27 Unidades da Federação, 24 reduziram o nível de emprego.

Reportagem especial: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar
Foto: Arquivo

Publicidade

Veja
Também