Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Ministério Público recomenda anulação do Concurso Público de Eldorado do Carajás

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Acatadas as denúncias, a Justiça entendeu que não houve lisura no Concurso Público realizado pela Prefeitura de Eldorado do Carajás com objetivo de preencher 600 vagas na administração pública.

A promotora Crystina Michiko Taketa Morikawa fez a seguinte consideração que: “a participação de parentes de candidatos na comissão organizadora do concurso fere os princípios da moralidade e impessoalidade que regem os atos administrativos”.


Com essa consideração todas as denúncias de candidatos que se sentiram lesados pelo ato improbe realizado no concurso tornam-se válidas e são acatadas pela justiça que também em seu despacho considera o “dever/poder da Administração Pública de rever seus atos de ofício, principalmente aqueles eivados de vício de nulidade absoluta”.

Por fim o MP recomendou ao prefeito Divino Campos (PPS), que proceda imediatamente com a anulação das provas objetivas já realizadas e recomenda ainda que seja alterada a comissão organizadora, substituindo todos os membros com parentes inscritos por outros sem vínculo familiar com os inscritos. Em suas recomendações a promotora conclui que à Prefeitura de Eldorado têm um prazo de 30
dias para publicar a data da realização de uma nova prova objetiva.

A prova foi aplicada no dia 16 de novembro de 2014 e tão logo o resultado foi divulgado, uma série de denúncias de supostas irregularidades foram sendo divulgadas através de redes sociais e até mesmo o Sindicato dos Trabalhadores na Educação pediu providências aos vereadores, que instauraram no dia 1º deste mês uma Comissão Parlamentar de Inquérito que visa investigar irregularidades e

possíveis fraudes no certame.

No período da denúncia o site procurou mais informações para tentar esclarecer as denúncias, também nas redes sociais em conversas “in box” fomos informados que as denúncias eram de que familiares ou pessoas diretamente ligadas a atual gestão foram aprovadas, a despeito de outros que seriam ou teriam tido notas mais elevadas, bem como da partição de familiares na Comissão Organizadora.

Reportagem e foto: Agência R30

Publicidade

Veja
Também