Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

MPPA firma termo de ajuste para garantir melhorias em dois conselhos tutelares

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Com a finalidade de solucionar a demanda relativa à estruturação dos dois Conselhos Tutelares de Marabá, que carecem de estrutura material e de recursos humanos, inclusive com falta de material de expediente, a promotora de Justiça Alexssandra Muniz Mardegan reuniu, no dia 6 de maço, com o prefeito de Marabá, Sebastião Miranda Filho, a secretária Municipal de Assistência Social e sua adjunta, Nadjalucia Oliveira Lima e Lanúzia Lobo Costa, respectivamente, bem como com os conselheiros tutelares dos referidos conselhos e firmou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), para que sejam adotadas providências para sanar os problemas.

Vistorias realizadas pelo Ministério Público do Estado nos dias 3 e 16 de março de 2016, após reclamações de conselheiros, constataram que os Conselhos Tutelares da Cidade Nova e Nova Marabá apresentam falta de infraestrutura adequada, equipamentos e materiais indispensáveis ao bom desenvolvimento de suas atividades.


Entre as medidas acertadas na reunião e que devem ser postas em prática pelas autoridades estão: a disponibilização, em até 30 dias, aos conselheiros tutelares, de vale transporte; a entrega, em até 60 dias, de duas cadeiras de transporte de crianças em veículos aos conselhos; a confirmação pelo Ministério Público, no dia 20 de março, do funcionamento do serviço de internet nos conselhos; a licitação e fornecimento pela Secretaria de Assistência Social, em até 120 dias, do mobiliário pendente nos dois conselhos tutelares.

“O conselho tutelar é órgão permanente e autônomo, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente definidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente”, salienta a promotora de Justiça Alexssandra Mardegan.

Outras providências com prazo determinado foram definidas no TAC, entre elas a viabilização de um espaço adequado para a sede do Conselho Tutelar, seja por meio de aquisição, locação ou como sua manutenção, 45 dias; fornecimento de material de expediente e limpeza, 45 dias; aquisição de mobiliário adequado, dependendo do caso, nos prazos de 45 a 120 dias.

“A Promotoria de Justiça poderá fiscalizar a qualquer momento o devido cumprimento do TAC e caso haja descumprimento de suas condições será aplicada multa diária de acordo com a lei, a ser revertida para o Fundo Municipal da Criança e do Adolescente de Marabá”, frisa Mardegan.

Reportagem: Edyr Falcão

Publicidade

Veja
Também