Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

“Não existe prefeito nem ex-prefeito que me barre”, diz Marcelo Catalão

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A décima primeira edição da Feira de Agronegócios de Parauapebas (FAP) vai mesmo entrar para a história.

A edição deste ano foi a primeira em que a Prefeitura Municipal de Parauapebas não patrocinou o evento e nem montou stand na festa agropecuária, o que algumas pessoas dizem ser relacionado ao fato do presidente do Sindicato dos Produtores Rurais (Siproduz), Marcelo Catalão ser pré-candidato a prefeito para as eleições do ano que vem pelo Partido Democratas (DEM) e consequentemente o atual prefeito Valmir Mariano (PSD) não queria fortificar o seu futuro adversário.


Sendo uma briga política ou não, durante o show do cantor Leonardo, realizado no dia 5 de setembro no Parque de Exposições Lázaro de Deus Vieira Neto, o discurso de Marcelo Catalão não pegou nada bem e repercutiu muito negativamente nas redes sociais e em vários veículos de comunicação da região, principalmente pelo fato dele ter criticado as blitzes do DMTT, órgão que é responsável pelo trânsito da cidade, que diga-se de passagem é uma das áreas que mais mata seus cidadãos.

Palavras de Marcelo Catalão durante o show

“Olha Leonardo, eu vou usar um pouco do seu espaço aqui. Existem 20 anos do nosso projeto desta Feira, e este é o primeiro ano que o Poder Executivo não participa. Eu não sei o porquê, mas eu vou falar pra esse povo aqui. Existe o prefeito querendo nos barrar, fazendo até blitz para não deixar o povo vir te ver, não é o Marcelo Catalão não, é o Leonardo.
Leonardo, isso é a prova da coragem do povo de Parauapebas, não existe prefeito nem ex-prefeito que barre o Marcelo Catalão, vocês estão de Parabéns. Leonardo, obrigado pela oportunidade”, discursou Marcelo Catalão.

Outro lado

Visando sempre fazer um jornalismo sério e ouvindo todas as partes envolvidas nas matérias, a equipe de reportagem do Portal Pebinha de Açúcar entrou em contato com o Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Parauapebas (Siproduz), senhor Marcelo Catalão, que nos enviou nota sobre a sua posição mediante ao fato ocorrido durante o show de Leonardo na FAP.

“Minha atitude no show do cantor Leonardo foi motivada por forte emoção momentânea, fruto do alto estresse provocado em virtude de ter feito a FAP 2015 sem ajuda da prefeitura. Me senti gratificado por ver a população de Parauapebas em peso no show mesmo com tudo que foi feito por parte da administração pública para que a feira fosse um fracasso”, disse.

Ainda na nota enviada ao Pebinha de Açúcar, Marcelo Catalão se disse muito ocupado no momento com as finalizações da FAP, mas prometeu convocar uma coletiva com a imprensa para comentar sobre a repercussão que gerou nas redes sociais.

Sobre os veículos de comunicação que noticiaram os fatos, Catalão afirmou ser a favor do direito da imprensa em noticiar, assim como o direito democrático de resposta que tem todo aquele que se achar prejudicado pelas matérias veiculadas.

DMTT responde

A reportagem do Pebinha de Açúcar também conversou com Glauber Mota, atual Diretor do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte de Parauapebas (DMTT), que durante o discurso de Catalão, foi acusado de intensificar as blitzes durante a FAP 2015 com o objetivo “impedir” que a população fosse à feira.

“Nunca pensei que nossa atuação preventiva durante a FAP fosse tomar toda essa magnitude, entretanto, sempre soubemos o que de fato é necessário para organizar o trânsito. Esse jogo político deixarei para quem sabe joga-lo, todavia não ficarei de braços cruzados vendo vidas serem ceifadas no dia-a-dia de nosso trânsito”, afirmou Mota.

O Diretor do DMTT também comentou sobre o fato do vereador Charles Borges (SDD) que durante a Sessão Ordinária desta terça-feira (8) também criticou as blitzes realizadas durante a FAP 2015. “Os demagogos que usam a Tribuna de uma Casa de Leis para incitar a população contra as autoridades constituídas de um município não têm noção da guerra que nós agentes da segurança viária vivemos. Não é exagero falar em guerra, pois o trânsito certamente é o segundo maior fator de óbitos em nosso município. Não quero ser eu, o responsável por mais vidas perdidas em nossas ruas”, relatou Mota.

Reportagem: Bariloche Silva – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também