Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Norte tem pior coleta de esgoto em cidades do país

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Entre as regiões brasileiras, o Norte tem a menor cobertura de coleta de esgoto na área urbana com cerca de 10% dos moradores atendidos pelo serviço em 2014.

Em seguida está o Nordeste, com 31% da população atendida. Os dados são do 20º Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos divulgado hoje (16) pelo Ministério das Cidades com números referentes ao ano de 2014.


Os percentuais das regiões Sul e Centro-Oeste são, respectivamente, 44% e 51%. Com maior índice de atendimento por rede de coleta de esgoto está o Sudeste, onde 83% da população urbana têm acesso ao serviço.

No Brasil, 57,6% da população da área urbana têm rede de coleta de esgoto. O secretário nacional de saneamento ambiental, do Ministério das Cidades, Paulo Ferreira, avalia que o percentual é baixo diante da meta proposta pelo Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) de garantir rede de esgoto para 93% da população que vive na área urbana em 2033.

Segundo Ferreira, é preciso otimizar investimentos e tecnologias para avançar na cobertura.

“É muito baixo diante da meta de universalização. O que temos que fazer é não deixar faltar recursos, buscar tecnologias mais econômicas e eficientes, procurar a inovação tecnologia e criar condições rápidas de licitações. Esses são pontos fundamentais para se avançar rápido no trabalho”, disse.

Em relação as metas do Plansab de ampliar o saneamento, o secretário disse que, no ritmo atual, o país terá dificuldade de cumprí-las, especialmente em relação ao esgoto que é uma obra mais demorada.

“Esperamos que, com a economia melhorando, consigamos recuperar a quantidade e a velocidade dos investimentos. A iniciativa privada tem se interessado e isso complementa os investimentos. Então, vamos incentivar para que haja condições para o cumprimento das metas”.

O secretário diz que um dos entraves para o avanço mais rápido na ampliação do saneamento para a população é a dificuldade dos estados e municípios na gestão e rapidez da aplicação dos recursos.

“O ministério tem feito esforço grande de dar assistência, verificar os problemas que aconteceram, se [foi] de licitação, de licenciamento ambiental, se [houve] falta de capacidade técnica para resolver o problema”, explicou.

O diagnóstico divulgado hoje mostra que, em 2014, 156,4 milhões de brasileiros que vivem em áreas urbanas tinham acesso à rede pública de abastecimento de água. O número representa 93% dos moradores das cidades do país.

 

Publicidade

Veja
Também