Estado terá que contratar intérprete de libras para atender estudantes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Marilda Dutra, professora de Geografia, e Marcia Maisa Leite Buss, intérprete e seus alunos em sala de aula, da EE Nossa Senhora da Conceição. EDUARDO MARQUES/TEMPO EDITORIAL

Atendendo uma solicitação do MPPA a justiça determinou ao Estado a contratação de mais um interprete de libras para a Escola Estadual Dorothy Stang, localizada no município de Jacundá. A contratação deve ocorrer mediante processo seletivo simplificado e o prazo dado pela justiça para a contratação foi de 30 dias.

Além de contratar um novo interprete o Estado deverá providenciar a implantação de uma sala multifuncional na escola, espaço dotado de equipamentos, recursos de acessibilidade e materiais pedagógicos que auxiliam na escolarização dos alunos com necessidades educacionais especiais.


A escola Dorothy Stang já possui dois interpretes de libras contratados em 2017, após requisição do MPPA . Porém, a demanda da escola aumentou havendo a necessidade de contratação de mais interpretes. “O MPPA fez uma solicitação à Secretaria de Estado de Educação (Seduc), que não atendeu ao pedido, não tendo o cuidado e atenção de verificar se houve aumento de alunos”, argumentou na ação o promotor de Justiça Sávio Ramon Batista da Silva.

Sem interpretes de libras suficientes os portadores de deficiência auditiva da escola Estadual Dorothy Stang vão à escola somente para fins de presença, uma vez que não conseguem compreender a matéria apresentada pelos professores.

Veja a íntegra da decisão

Publicidade

veja também