Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Olhos vermelhos e lacrimejantes podem ser sinais de conjuntivite; oftalmologista ensina como se prevenir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Olhos vermelhos, lacrimejantes, pálpebras “grudadas” e inchadas e sensação de estar com areia nos olhos. Estes são alguns dos sintomas da conjuntivite, doença muito comum nesta época do ano e que afasta muitas pessoas das tarefas diárias, como trabalho e estudo, por causar desconforto e ser altamente contagiosa.

De acordo com o médico oftalmologista da Clínica Viver, Cássio Moura, a conjuntivite é uma inflamação na membrana que reveste a parte branca dos olhos. O tipo mais comum de conjuntivite é a viral – embora existam outros tantos tipos frequentes, como conjuntivite bacteriana, alérgica e química. “Na conjuntivite viral o olho fica avermelhado, o entorno dos olhos pode inchar, e o lacrimejamento aumenta três ou quatro vezes, sendo que às vezes é purulento e de coloração amarelada, explica.


A conjuntivite é transmitida por meio das lágrimas. “Nelas está o agente infeccioso. Então a pessoa com a doença passa a mão no olho, encosta em algum lugar e, desse local, o agente infeccioso fica ‘esperando’ até que outras pessoas também encostem nesse local e levem a mão aos olhos, infectando-se”, ressalta.

Como o risco de contágio é alto, a recomendação médica é que a pessoa se afaste das atividades diárias e de outras pessoas. “O ideal é que ela também não compartilhe toalhas, lençóis, travesseiros e quaisquer outros objetos que possam transmitir a infecção, além de estar sempre com as mãos lavadas”, comenta o oftalmologista.

O tratamento, segundo o médico, depende do tipo de conjuntivite contraída. “Cada tipo da doença requer um determinado tratamento, por isso, é importante que a qualquer sinal de conjuntivite, um especialista seja consultado. Geralmente, a conjuntivite dura entre uma e duas semanas, não mais que isso”, afirma.

Caso queira evitar de contrair a doença, a orientação é reforçar a higiene lavando sempre as mãos, podendo usar álcool gel também . “Principalmente nos períodos de maior incidência, é importante que os cuidados sejam redobrados”, finaliza.

Publicidade

Veja
Também