Operação “Bad Trip” prende mais um acusado de vender ecstasy em raves de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira a 3ª (terceira) fase da operação “Bad Trip” com o cumprimento de 4 (quatro) mandados de busca e apreensão e 3 (três) mandados de prisão temporária nas cidades do Rio de Janeiro/RJ, Ilha Bela/SP e Goiânia/GO, após representação da Polícia Federal, que foram expedidos pelo Juízo da 2ª Vara Criminal de Parauapebas/PA, que tem o objetivo de desarticular grupo criminoso que realizava o tráfico ilícito de entorpecentes de droga sintética metilenodioximetanfetamina conhecida popularmente como “ecstasy”.

Nesta fase, as investigações evoluíram e foi possível alcançar mais outros envolvidos na cadeia criminosa, após uma primeira prisão em flagrante de 3 (três) indivíduos no recebimento de correspondência junto aos Correios no dia 11/12/2020, no momento em que recebiam 200 comprimidos de ecstasy e a segunda fase (19/01/2021) com cumprimento de 8 (oito) mandados de busca e apreensão e prisões temporárias.


Até o momento, nesta (3ª) terceira fase da operação “Bad Trip”, estão sendo realizadas as buscas e apreensões e foi confirmada a prisão temporária de mais 1 (um) dos investigados. As investigações apuraram que os envolvidos atuavam de forma estável e permanente para a comercialização dos entorpecentes sintéticos por grupos e aplicativos de mídias sociais de vários Estados da Federação e encaminhados via Correios para distribuição e comercialização em festas eletrônicas “Rave”, organizadas e frequentadas pelo grupo com o objetivo de distribuir aos jovens e adolescentes na cidade de Parauapebas/PA.

Com a conclusão das investigações os detidos responderão pela prática de crime previsto no artigo Art. 33 ( tráfico ilícito de entorpecentes)”caput” e art. 35 c/c 40 inc. V (associação para tráfico ilícito de entorpecentes), da Lei 11.343/06, com penas que variam de 5 a 15 anos de reclusão, com aumento de um sexto a dois terços por se tratar de tráfico interestadual cumulado com penas de 3 a 10 anos de reclusão pelo delito de associação ao tráfico ilícito de entorpecentes.

A operação ainda segue em andamento, com mais dados a serem divulgados ao longo do dia.

* O nome da operação “Bad Trip” é o termo (gíria) que representa as sensações fisiológicas e psicológicas desagradáveis as sensações fisiológicas e psicológicas desagradáveis provocadas pelo uso de substâncias psicoativas durante os efeitos psicotrópicos. Um sintoma comum de bad trip é o usuário se sentir perseguido, ou preso à viagem, e teme nunca mais ficar são novamente.

veja também