Publicidade

Pai de criança de um ano morta a facadas conta sua versão sobre o caso

Um caso bárbaro que ceifou a vida de uma criança de um ano e seis meses, vítima de um homem que a matou a golpes de faca. Um caso de repercussão e comoção pública por tratar-se de uma pessoa indefesa.

O caso se deu na Vila do Projeto de Assentamento Railândia, onde a criança A. A. S., sofreu as agressões por volta das 23h00 do dia 4 deste mês, agosto, vindo a dar entrada, já sem vida, no Hospital Municipal de Parauapebas, onde também o pai da criança, Antonilson Moreira da Silva, ferido pela mesma arma, foi socorrido; na mesma casa de saúde o agressor, identificado como Emivaldo Costa, vulgo “Nego”, também foi socorrido ferido com arma branca e arma de fogo (tipo cartucheira).


O caso está sob investigação da Polícia Civil que procura apurar as causas da desinteligência e a culpa de cada um no ocorrido. Portanto, nesta quarta-feira (21), o pai da criança foi ouvido na delegacia e deu sua versão sobre o caso.

Trata-se de Antonilson Moreira da Silva, que narrou sua versão a respeito do ocorrido naquela noite.
De acordo com o homem que sobreviveu a dois golpes de faca desferidos por Negão, tudo começou quando foi convidado para beber cachaça na casa de um vizinho, onde, ao chegar o dono da casa já se encontrava dormindo. Os visitantes eram Negão e Antonilson, que foram recebidos pela dona da casa que trouxe a informação de que seu esposo já dormia e ela não queria mais barulho na residência.

Já sob efeito de algum entorpecente, conforme narrado por Antonilson, Negão começou a proferir xingamentos contra a dona da casa de onde saíram em seguida. “Voltei para minha casa e logo depois o Negão chegou também e, de pirraça, já havia quebrado o litro de cachaça na estrada. Chegou em minha casa zangado e quando minha esposa perguntou o que estava acontecendo, ele disse a ela que eu era homem e a confusão começou com ameaças”, conta Antonilson, que continuou sua versão relatando que o agressor ameaçou sua esposa, pegando ela pelo braço enquanto ela desvencilhava.

Antonilson Moreira da Silva

 

Porém, seu filho A. A. S. de apenas 1 ano e meio estava dormindo em um colchão no chão da sala e foi apanhado por Negão, que anunciou que ele era um refém e iria mata-lo. Naquele momento, transtornado, o homem começou a cobrar uma dívida de R$ 50,00, contraída por Antonilson, porém, já negociada a ser paga com serviço braçal ou com dinheiro assim que ele viesse à rua e pegasse o valor. Mesmo com a promessa de um vizinho que pagaria o valor que ele quisesse no dia seguinte, mas, sugeria que ele deveria soltar a criança.

O desespero da mãe da criança, conforme contado por Antonilson, foi evidente, motivo que o levou a tentar resgatar seu filho mesmo sob o perigo da faca que estava nas mãos de Negão. “Quando cheguei perto ele me acertou no peito, tentei correr com vida, momento em que ele deu mais um golpe em meu filho. Foi quando um senhor, nosso vizinho, disparou contra ele um tiro de espingarda. “Voltei e dei vários golpes de facão nele, na tentativa de matá-lo, mas, ele conseguiu fugir”, conta Antonilson.

De acordo com a Polícia Civil, os demais envolvidos serão ouvidos até que o inquérito seja concluído e os culpados responsabilizados pelo caso.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Pebinha de Açúcar Comunicação e Marketing
LTDA-ME – CNPJ: 05.200.883.0001-05
Parauapebas – Pará – Brasil
(94) 99121-9293 (whatsapp) | (94) 98134-2558

Acompanhe o Pebinha nas redes sociais

Copyright © Pebinha de Açúcar – 2018. Todos os Direitos Reservados.

Fechar Menu