Publicidade

Pai reencontrará a filha em Rondônia após 38 anos

“Seu” Anastácio ficou bastante emocionado quando disse que havia localizado seus filhos em Rondônia

A alegria de “Seu” Anastácio Matos Costa na tarde desta sexta-feira (29) ao falar com a filha – por telefone, após 38 anos, foi muito grande. Ele mora no Bairro dos Maranhenses, em Canaã dos Carajás (PA) e a filha, Edileide Matos Costa, na Vila Nova Samuel, no município de Candeias do Jamari, a 60km de Porto Velho (RO), é casada com o agricultor Paulo Silva e tem três filhos. (A irmã dela, Euvânia, tem 4 filhos e mora em Candeias do Jamari).

Foram mais de dez meses de investigação, mas consegui fazer mais uma família feliz. É o quinto caso em menos de um ano e o segundo em menos de quinze dias.


Nos próximos dias pai e filha se reencontrarão em Porto Velho e ele poderá rever os outros filhos, netos, sobrinhos, cunhados e parentes. O aposentado Anastácio mora sozinho em Canaã dos Carajás e vive de favor em uma casa simples, com o apoio de vizinhos e amigos. “Oh, meu Deus agora vou poder ver meus filhos. Será se eu aguento?”, perguntou ele para o repórter, bastante emocionado. Respondi que aguentaria sim, com a graça de Deus.

A separação do garimpeiro Anastácio da então esposa Maria Milza Costa da Silva ocorreu em 1981 em Cristalândia, no antigo norte goiano, hoje estado do Tocantins. Ele foi embora para Itaituba (PA) trabalhar em garimpos com os cunhados. Depois, dona Maria foi com os quatro filhos do casal: Emerson, Euvânia, Edileide e Eliton também para Itaituba, mas o ex-companheiro já havia sumido no mundo e os cunhados dele tinham se mudado para Rondônia. Tempos depois, dona Maria foi morar em Guajará Mirim, em Rondônia, depois em Pium, no Tocantins e, posteriormente, em Cuiabá. E anos “Seu” Anastácio foi morar em Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará.

A filha Edileide, que nasceu dia 24 de abriu de 1980, tinha por volta de nove meses de vida. Portanto, nunca viu o pai. Verá em breve com o apoio da Secretaria de Assistência Social de Canaã dos Carajás. A história é emocionante. Confira a história da família e os bastidores da investigação do caso.

A filha “Dileide”, que mora a 60km de Porto Velho, também ficou muito emocionada ao falar com o pai dela por telefone

 

Como tudo começou

Após descobrir em novembro de 2018 em Goiás e no Distrito Federal a família do ex-andarilho Gabriel Costa de Carvalho, que andava maltrapilho pelas ruas de Parauapebas, passei a receber pedidos de pessoas do Brasil e do exterior para localizar parentes desaparecidos.

Dia 21 de janeiro de 2019 a hoje universitária do curso de Assistência Social em Aparecida de Goiânia (GO), Ludmila Duarte, 24, que morava em Canaã dos Carajás(PA), já com o espírito social de fato, me enviou uma mensagem solicitando apoio para localizar os familiares de “Seu” Anastácio, especialmente os filhos e a ex-esposa. Ele é vizinho da família da jovem Ludmila em Canaã. Aí publiquei em minhas redes sociais a seguinte mensagem:
Anastácio Matos Costa
A Ludmilla Duarte procura pelos filhos e pela ex-mulher do Sr. Anastácio Matos Costa, nascido em 20 de setembro de 1941, natural de Carolina (MA), ex-esposo de Maria Milza Costa da Silva, que nasceu em 26 de maio de 1958, no município de Cristalândia (TO). Há 40 anos o Anastácio não vê os filhos, mas lembra que após a separação, a dona Maria Milza foi embora com os meninos para Itaituba (PA).
Os filhos do casal são:
Emerson Matos Costa (04/09/1978), nascidos em Cristalândia.
Euvânia Matos Costa nascida em 06/03/1979
Edileide Matos Costa nascida em 29/06/1980
Eliton Matos Costa nascido em 04/06/1982
Hoje, o senhor Anastácio Matos Costa reside em Canaã dos Carajás (PA), tem 78 anos, e sonha muito em reencontrar seus filhos ou sua ex-esposa.

A partir desta postagem, fiz minhas pesquisas mas não obtive sucesso no caso do “Seu” Anastácio. Prossegui minhas investigações e descobri há 15 dias o Sr. Jaime Lopes da Silva, que mora em Pindaré Mirim (MA), a pedido de sua filha Jailma, que mora no bairro Cidade Jardim, em Parauapebas, e não vê o pai há 42 anos. Ele foi embora quando ela tinha três dias de nascida. Pai e filha já se falaram por telefone e vão se encontrar em breve no Maranhão. Para isso, contei com a ajuda da policial civil Adriana Mesquita, de Fortaleza, que havia visto minha mensagem na busca de “Seu” Jaime em redes sociais lá no Ceará, já que uma irmã dele havia compartilhado a informação em suas redes sociais também. A Adriana me localizou pelo Google e entrou em contato comigo.

Resolvido o caso do “Seu” Jaime, a Adriana voltou a falar comigo na quarta-feira (27) me informado sobre a localização de parentes do “Seu” Anastácio Matos.

Nova investigação

Com os nomes completos e endereços em mãos, comecei uma nova investigação. Entrei em contato como amigo jornalista Ricardo Júnior, que mora em Porto Velho, e perguntei se ele conhecia alguém em Guajará Mirim, interior de Rondônia, para obter o telefone de contato da Edileide, filha de “Seu” Anastácio. O Ricardo me passou o contato do ex-vereador Vanderley Brito, que mora em Guajará Mirim, já na fronteira do Brasil com a Bolívia. Aí levei um susto e quase perdi as esperanças com a informação repassada pelo Vanderley:

– Olha, Lima, vim aqui na casa no endereço que você me passou, mas essa pessoa que você procura não mora aqui, não. E o pai dela já morreu há algum tempo e foi enterrado aqui mesmo, disse o ex-vereador.
– Por gentileza, pegue o contato para mim. Preciso falar com ela, pedi ao Vanderley, que prontamente voltou lá no endereço no dia seguinte e pegou o contato e a pessoa se identificou como “Mirica”. Liguei para a dona “Mirica” e ela disse que não conhecia ninguém com esse nome e que não era a pessoa procurada. Agradeci, mas fiquei confuso com tanta coincidência: nome da ex-mulher e dos filhos, com datas de nascimento e tudo. Enfim, pensei e planejei entrar em contato com a ex-mulher do “Seu” Anastácio. Liguei para a prefeitura de Pium, no Tocantins, pedi ajuda, mas uma funcionária da Secretaria de Assistência Social me informou que a cidade é pequena e ninguém conhecia a dona Maria Milza no endereço informado. Quando já preparava outra estratégia de investigação, a senhora “Mirica” me ligou de Guajará Mirim e informou que, após a conversar com a filha de criação, a Edileide, confirmou que se tratava do pai dela, Anastácio Matos. Me passou o contato da Dileide, como ela é mais conhecida em Rondônia, e liguei para ela. Disse que os nomes e datas de nascimento batiam e confirmei que era ela mesmo que eu procurava. Perguntei se ela tinha interesse em conhecer o pai. Disse que sim.

Aí começou uma nova etapa de investigação. Na sexta-feira (29) fui até Canaã dos Carajás, a 65 quilômetros de Parauapebas e ao endereço que tinha em mãos, mas ninguém conhecia “Seu” Anastácio e deram informação de outra pessoa, cuja idade não batia. A pessoa era mais jovem. De repente o Sr. Paulo, com quem havia solicitado informação na Rua Projeto, no Bairro dos Maranhenses, em Canaã dos Carajás, foi atrás de mim e me disse que uma amiga dele conhecia “Seu” Anastácio. Me levou até a casa da pessoa e uma simpática senhora me levou até a casa de “Seu” Anastácio. Conversei com ele, mas não passei o número da filha, porque ele estava muito emocionado e fiquei preocupado. Anotei o número dele e fui embora com o compromisso de voltar depois.

Novos colaboradores

Aí, outros personagens entraram na história. Entrei em contato com o amigo Jurandir dos Santos, secretário de Desenvolvimento de Canaã dos Carajás, pedi ajuda e ele me passou o contato do Ronaldo Araújo, secretário de Desenvolvimento Social (SDS). Por estar em reunião fechada, eu não conseguia falar com ele. Eu precisava de alguém da SDS para me acompanhar, porque quando falei que havia localizado sua família, como destaquei, o “Seu” Anastácio ficou muito emocionado. Fiquei com medo de ele passar mal.

Abençoado por Deus, no momento em que falava com a secretária do secretário Ronaldo, a Marilene, a assistente social Maria Aparecida, que aguardava na antessala para ser atendida, disse que o melhor era eu procurar o diretor do Hospital Regional de Canaã e levar uma assistente social e uma enfermeira comigo. Mas aí pediu para ver a foto da pessoa que eu procurava. Quando mostrei a fotografia, a dona Cida disse que conhecia bastante o “Seu” Anastácio, que havia ajudado ele a fazer uma cirurgia de próstata e que ele morou inclusive por muitos anos na sua casa.

– Pode ir lá dar a notícia e colocá-lo em contato com a filha dele porque o Anastácio é um homem forte, disse dona Cida, para a minha alegria.

Voltei à Rua Projeto, no Bairro dos Maranhenses (em Canaã) e coloquei “Seu” Anastácio em contato com Dileide. A emoção foi muito grande. Em seguida ela enviou fotos dela e dos filhos, mostrei para ele e foi mais emoção ainda. E para a nossa felicidade e com o apoio da assistente social Maria Aparecida, a Secretaria de Assistência Social analisará o caso e poderá ajudar na viagem de “Seu” Anastácio até Porto Velho para rever os filhos e parentes. Ele só não vai rever a ex-esposa, dona Maria Milza, porque ela se casou há 15 anos e mora em Cuiabá.

Emocionado, o aposentado Anastácio Matos falou para toda a vizinha que graças a um jornalista falou com sua filha e agora poderá reencontrar os filhos em Rondônia.

E emocionado, ficou foi o jornalista, por desvendar mais um caso de pessoa desaparecida. O quinto em menos de um ano e o segundo em menos de 15 dias. Agora, vamos prosseguir em novas investigações de mais dez casos. Nossa meta é fazer mais famílias felizes, independentemente de erros do passado.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Pebinha de Açúcar Comunicação e Marketing
LTDA-ME – CNPJ: 05.200.883.0001-05
Parauapebas – Pará – Brasil
(94) 99121-9293 (whatsapp) | (94) 98134-2558

Acompanhe o Pebinha nas redes sociais

Copyright © Pebinha de Açúcar – 2018. Todos os Direitos Reservados.

Fechar Menu