Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Pais faziam magia negra macabra com criança morta em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma situação de doer o coração e de lastimar. Esta é a terceira matéria diferente publicada sobre uma criança que fora internada no Hospital Geral de Parauapebas (HGP) sob acusação inicial de estupro por parte do padrasto. Infelizmente a criança de um ano e oito meses faleceu por volta de 15 horas de ontem (8).

Agora, a notícia é estarrecedora: a criança, em verdade, segundo entrevista da delegada Ana Carolina Carneiro de Abreu, fora vítima de um ritual de magia negra praticado pelo padrasto Deyvyd Renato Oliveira Brito (padrasto) e Irislene da Silva Miranda (mãe biológica) contra a inocente Carla Emanuele Miranda Correia.


Depois que os acusados foram presos, na tomada de depoimentos e colhendo informações, a delegada Ana Carolina descobriu que a inocente criança era ofertada em sessões de magia negra, onde era espancada e violentada sexualmente, em rituais satânicos que eram conduzidos pelo padrasto com a participação da própria mãe da vítima.

Carla fora levada às pressas para o hospital por Deyvyd e Irislene e a mãe inventou uma história de que ela teria caído no chão, mas logo que as lesões na vagina e no ânus da menina foram descobertas, a mentira começou a ser desmascarada.

Para a polícia, Irislene contou que seu companheiro Deyvyd abusava da criança quando ela se negava a ter relações sexuais com ele. Só essa confissão já gerou revolta à sociedade e aos policiais que tomaram o depoimento, mas eles não sabiam o que ainda estava por vir.

Chegando à residência dos acusados, os policiais foram informados pela vizinhança que o local era usado para estranhos rituais. Além disso, Deyvyd Renato anunciava nas redes sociais que mexia com “forças ocultas” e fazia “trabalhos”. Além disso, a delegada Ana Carolina descobriu que ele já veio fugido de Outeiro e era acusado de estupro de vulnerável em Icoaraci, Distrito de Belém, onde foram encontrados ossos humanos em sua residência.

Em seu depoimento, Deyvyd Renato disse que seu pai também mexia com magia negra e que os ossos humanos que estavam em sua casa foram levados lá para o pai dele, mas quando o acusado contava essa história para a polícia, o pai dele chegou à delegacia e desmentiu tudo.

Disse que o filho chegou em sua casa, em Parauapebas, depois de 22 anos sem contato, e pediu para passar um tempo. Disse que estava fugindo de Icoaraci, onde fora acusado de abuso sexual de menor, o que alegou ser mentira. O pai permitiu apenas 15 dias, mas após uma semana chegaram a esposa e filha. Passadas o período consentido, eles tiveram de sair da casa do patriarca.

Durante esses 15 dias de convivência, Deyvyd começou a falar umas coisas estranhas. Segundo seu próprio pai, ele teria se prontificado para matar uma pessoa que havia assassinado uma irmã dele, lá mesmo em Parauapebas. Não foi só isso, ele confessou ainda que executou o próprio padrasto e cortou o corpo em pedacinhos, revelando ali toda sua psicopatia.

Além disso, segundo a delegada, os vizinhos disseram que a mãe da vítima permaneceu em casa durante toda a terça-feira, que foi quando a criança supostamente caiu no chão, diferente do que ela tinha relatado.

“Nossa linha de investigação provavelmente é que essa criança era ofertada para magia negra; os abusos sexuais já foram comprovados; não foi a primeira vez, pois tinha lesões antigas e a criança morreu por traumatismo craniano, provavelmente de espancamento; a lesão era muito forte e não condiz com uma queda na cama, então nossa linha de investigação é que essa criança já vinha sendo ofertada para magia negra com sessões de tortura e espancamento”, relatou a delegada.

Ainda de acordo com a policial, talvez a intenção dos acusados nem era matar a menina, mas ficar torturando a vítima e causando-lhe sofrimento como parte dos rituais. Porém, quando viram que a criança não suportou as pancadas resolveram levá-la para atendimento médico. Diante disso, a mãe deixou de responder por omissão e foi indiciada como coautora pelo crime de estupro de vulnerável e feminicídio consumado.

Segundo a delegada, esse episódio foge dos casos de negligência que ela tem visto: “Esse caso é uma monstruosidade porque não era nem uma negligência por fator social ou por medo, pois muitas mães são negligentes porque é do agressor que vem o sustento, porque há dependência afetiva. Nesse caso, ela era cúmplice da atrocidade que eles cometeram. Para mim, os dois são psicopatas, são mentes doentias, os dois cometiam essa atrocidade”.

O que mais deixou a delegada impressionada é que, segundo ela, assim como o padrasto da vítima, em momento nenhum, a mãe se mostrou emocionada e tampouco demonstrou arrependimento, mesmo quando viu a sua frente as fotos da filha mutilada e morta.

Nota da Semsa

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), de Parauapebas, emitiu uma nota explicando que prestou todo o atendimento possível à criança, mas em função do quadro gravíssimo em que se apresentava não foi possível salvar a vida do inocente bebê.

Segundo a Semsa, a criança chegou desmaiada e com o quadro de parada cardíaca. Depois de 20 minutos de reanimação, a vítima foi entubada e conduzida para ventilação mecânica, por conta do coma profundo.

A equipe multidisciplinar que acompanhava a criança atuava para conseguir a estabilidade do seu quadro de saúde, para então realizar a sua transferência para a UTI Infantil do Hospital Regional de Marabá, mas não houve tempo.

Publicidade

Veja
Também