Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Pará debate modelo de desenvolvimento urbano na Amazônia em Conferência da ONU

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Governo do Pará foi convidado e vai participar de discussões ao lado de governos, instituições, pesquisadores e especialistas na III Conferência das Nações Unidas para a Habitação e o Desenvolvimento Urbano Sustentável, que será realizada em Quito, capital do Equador, entre os próximos dias 17 e 20. O evento é promovido pelo Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), que tem como principal objetivo desenvolver programas que buscam elevar a qualidade de vida de pessoas que vivem nas cidades.

Na Conferência, que só ocorre a cada 20 anos, serão definidas as novas diretrizes da ONU para as cidades, a chamada “Nova Agenda Urbana”. O Pará será o único Estado da região a ter assento nas discussões, como participante da comitiva oficial do País.


Nos eventos preparatórios, especialistas nomeados pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU apontaram que é necessário reconhecer as privações causadas pelo crescimento econômico urbano desenfreado. Uma maior regulação do setor privado faz parte das necessidades apontadas. Segundo o ONU-Habitat, desde 2007 mais da metade da população mundial vive em cidades e centros urbanos. A estimativa é de que, em 2050, com uma população projetada em 9 bilhões de pessoas, essa proporção chegue a 70%.

A Nova Agenda Urbana deverá garantir que as partes engajadas no desenvolvimento das cidades, como instituições financeiras, desenvolvedores de infraestrutura e conglomerados imobiliários, estejam em consonância com princípios dos direitos humanos. O Pará já vem trabalhando em conjunto com a ONU Habitat e o Instituto Dialog na construção de modelos de governança e marcos legais que possam, num passo seguinte, ajudar a viabilizar a implementação de mecanismos inovadores de financiamento e a aplicação da metodologia proposta pela ONU, alinhada com as demandas locais.

Regionalização

O Governo do Pará integrará, na conferência, no dia 17, pela tarde, a mesa de discussão “Implementação da Nova Agenda Urbana nas regiões metropolitanas das Américas: uma visão para o desenvolvimento urbano equilibrado”. O debate terá a participação do Estado de Jalisco (México), da Província de Buenos Aires (Argentina) e do Estado do Rio de Janeiro (Brasil). Na ocasião, o governador Simão Jatene abordará a realidade regional e a diversidade de contextos locais da Amazônia, cujas peculiaridades devem ser observadas pelas novas diretrizes.

Os termos da Nova Agenda Urbana serão fundamentais para as futuras parcerias e projetos de desenvolvimento social nas cidades. Para Jatene, a participação do Pará nas discussões é fundamental para que o contexto da região seja contemplado nos documentos que serão fechados durante a conferência. “Estar presente nessa discussão global acerca do desenvolvimento que se quer é fundamental para que as cidades amazônicas possam ser projetadas nesse novo modelo que se pretende implementar, combinando desenvolvimento econômico, ambiental e social. Temos diferentes modelos de ocupação e de cidades e é exatamente essas peculiaridades, específicas da Amazônia, que devem ser contempladas na Nova Agenda”, destaca.

No dia 19 de outubro, o Pará integra outra mesa internacional. No Pavilhão Equador, um dos principais da ONU-Habitat III, ocorrerá a discussão “Desenvolvimento sustentável das cidades e territórios amazônicos”, com participação da Secretaria Nacional de Planejamento e Desenvolvimento do Equador, país anfitrião do evento, e dos governos do Peru, da Colômbia e do Brasil, por meio do Ministério das Cidades, com presença da secretária nacional de Habitação, Maria Enriqueta Alves.

Sustentabilidade

Também participam dos debates especialistas da ONU Habitat, que vão apresentar a metodologia do Programa das Nações Unidas para territórios amazônicos, que já vem sendo discutida com a equipe técnica do Governo do Pará ao longo dos últimos meses. No evento, o governador do Pará irá abordar os desafios da sustentabilidade nas cidades amazônicas.

Para o encontro, estão sendo convidadas instituições financeiras, investidores, ONGs de fomento e governos municipais e nacionais com ênfase na questão da sustentabilidade. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), principal autoridade global em meio ambiente, é a agência do Sistema das Nações Unidas (ONU) responsável por promover a conservação do meio ambiente e o uso eficiente de recursos no contexto do desenvolvimento sustentável também estará presente.

“Ao participar desses debates, estaremos propondo que o modelo a ser implementado leve em consideração nossa realidade, uma vez que historicamente se tentam impor projetos ou modelos de contextos distintos, buscando adaptar à nossa realidade. Agora, com esse espaço e voz na discussão, buscamos enfim garantir que se pense, projete e definam diretrizes específicas para a Amazônia. É uma quebra de paradigma e revela um esforço que vem sendo feito há um bom tempo”, afirma Jatene.

Para o governador do Pará, a discussão é urgente, uma vez que a região amazônica tem se urbanizado em ritmo acelerado, tanto no Brasil como na Colômbia, Equador e no Peru. “A Amazônia tem sim um papel importante na prestação de serviços ambientais em escala planetária. Porém, isso não deve impedir – pelo contrário, deve ser o indutor – da construção de base de vida digna para quem vive na região, nas cidades amazônicas”, afirma.

Conferência da ONU discute diretrizes de desenvolvimento

A Conferência das Nações Unidas para a Habitação e o Desenvolvimento Urbano Sustentável chega neste ano, em Quito, à terceira edição, que só ocorre a cada 20 anos. É justamente nesse espaço de discussão que são definidos os rumos e diretrizes que devem ser observados por governos e instituições para fomentar e definir investimentos que ajudem a promover o desenvolvimento urbano sustentável.

O Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) foi estabelecido em 1976, como resultado da Conferência das Nações Unidas sobre Assentamentos Humanos, a Habitat I, realizada em Vancouver (Canadá). Com sede em Nairóbi (Quênia), a organização é encarregada de coordenar e harmonizar atividades em assentamentos humanos dentro do sistema das Nações Unidas. A ONU-Habitat organizou a segunda Habitat II em Istambul, na Turquia, em junho de 1996.

Em junho deste ano, o  ONU-Habitat publicou o rascunho da Nova Agenda Urbana, documento foi preparado com base em sugestões e negociações feitas durante diversas reuniões consultivas com os Estados-membros entre abril e maio. O objetivo é ajudar cidades e assentamentos humanos a erradicar a pobreza em todas as formas e dimensões, reduzir as desigualdades, promover o crescimento inclusivo e atingir o desenvolvimento sustentável.

Publicidade

Veja
Também