Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Pará fica cada vez mais rico, mas continua pobre de espírito

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Pelo segundo ano consecutivo, o Pará rouba a cena na geração de riquezas e desbanca uma Unidade da Federação. Na divulgação de Produto Interno Bruto (PIB) feita em 2014 (relativa ao PIB de 2012), o Pará derrubou o Ceará. Agora, em 2015 (com PIB relativo a 2013), o Pará deixou para trás o Espírito Santo. As próximas vítimas do crescimento econômico paraense – sustentado na exportação de produtos primários – deverão ser, em cinco anos, Pernambuco, com PIB de R$ 140,7 bilhões, e Goiás, com PIB de R$ 151 bilhões. O PIB paraense é, atualmente, de R$ 120,9 bilhões. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram divulgados na manhã desta quinta-feira (19), por meio do estudo “Contas Regionais do Brasil (2010-2013)”.

Na divulgação de PIB do ano que vem, referente a 2014, a produção de riquezas do Pará poderá encolher em razão da queda apresentada por um de seus principais motores econômicos, o município de Parauapebas, onde a mineradora Vale (maior exportadora privada do Pará e do Brasil) possui operações de minérios de ferro e manganês.


Em 2017, com a divulgação de PIB relativa ao ano de 2015, já é certeza que os números consolidados da economia parauapebense devam cair a pouco mais da metade do que se verifica hoje. Isso porque o preço do minério de ferro cotado a menos de 60 dólares por tonelada, na média deste ano, vai derrubar o valor final das exportações à metade do que se praticou em 2014, por exemplo, e isso, fatalmente, vai conferir a Parauapebas o título de detentor da maior tragédia econômica municipal verificada no Brasil, entre os atuais 5.570 municípios. Hoje, 84% da economia parauapebense giram em torno da indústria extrativa mineral e sem a qual dificilmente a “Capital do Minério” sobrevive, por não possuir sustentação financeira paralela.

Por conseguinte, a “quebra” parcial de Parauapebas, em 2015, vai derrubar o Pará, que tem na venda do ferro das minas de Carajás sua principal carteira de negócios – mas não a única.

Olhando para trás, particularmente o ano de 2013, o mesmo em que o Pará derruba mais um Estado a sua frente, não se visualizam rastros de desenvolvimento e progresso social que confiram, de fato, orgulho aos paraenses por esses tantos bilhões que jamais vão chegar à população que realmente precisa.

Não há algo muito além de se estar, teoricamente, na condição de 11ª praça financeira do Brasil. A realidade, nua e crua, das condições de vida e desenvolvimento humano no Pará é cruel.

Reportagem especial: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também