Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Para o prefeito Valmir Mariano, 2013 foi um ano de avanços

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

EDUCAÇÃO

Imagens Educação


Prefeito, no início do mandato o senhor anunciou que umas das prioridades do seu governo seria a educação. O que foi feito em 2013 por essa área?
Valmir Mariano – Este ano, já inauguramos seis unidades educacionais, sendo três na zona rural e três na zona urbana. Outras três escolas já estão construídas e serão entregues à comunidade no início do ano letivo de 2014, uma no Bairro dos Minérios e duas no Rio Verde. Além isso, mais cinco escolas continuam em construção, com término previsto para o ano que vem. Temos mais oito em processo de licitação e abriremos mais licitações para construção de novas escolas no próximo ano. Oferecemos formação continuada para toda a rede, com aproximadamente 2.300 professores; incentivamos o desporto estudantil com os Jogos Interescolares de Parauapebas (JIPs) e, recentemente, adquirimos 100 ônibus escolares que deverão atender aos nossos alunos em 2014.

Apesar disso, ainda existem anexos e o turno intermediário. Há previsão para resolver esta questão?
Valmir Mariano – Todos os anos, o grande número de alunos que entram na rede municipal de educação aumenta a demanda por vagas que já é muito alta. Mesmo assim, já começamos a eliminar os anexos com a construção de novas escolas em 2013 e faremos muito mais no ano que vem. Eliminar os anexos e o turno intermediário foram compromissos que assumi e que vou cumprir. Nossa expectativa é que até o final do ano que vem todos os alunos estudem em escolas de qualidade e não precisem mais recorrer aos anexos. Infelizmente, o turno intermediário é uma realidade muito antiga e um problema que vai levar um pouco mais de tempo a ser resolvido, mas até 2015 vamos extinguir esse turno e garantir mais conforto e qualidade no desenvolvimento da educação em nossas escolas.

E sobre o ensino superior?
Valmir Mariano – Este ano, firmamos convênio com a Universidade Federal do Pará (UFPA) e estamos trazendo três novas turmas dos cursos de Direito, Engenharia Civil e Engenharia Mecânica. Mas Parauapebas ganhou muito mais este ano. Só para citar um exemplo, além das 150 vagas da UFPA, o município recebeu mais 160 vagas destinadas aos professores que dão aula na rede pública, por meio do Plano Nacional de Professores da Educação Básica (Parfor). Os cursos são Licenciatura em Matemática, História, Pedagogia e Teatro. Além disso, continuamos os trabalhos em parceria com a UFPA e a Vale para a implantação de um polo da UFPA no município e, em um futuro próximo, um novo campus universitário.

SAÚDE

Imagens Saúde

A saúde é um campo sensível em Parauapebas. Quais foram os principais desafios enfrentados pela prefeitura nessa área?
Valmir Mariano – Um dos grandes desafios foi acompanhar a demanda por atendimento nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e no Hospital Municipal de Parauapebas (HMP): a média mensal foi de 12 mil pacientes no HMP e de 90 mil nas Unidades de Saúde. Também tivemos que melhorar a estrutura do hospital e das UBSs, contratar mais profissionais para melhorar o atendimento, além de trabalhar com saúde preventiva.

E as principais conquistas?
Valmir Mariano – O desafio é muito grande, mas avançamos muito em 2013. O Hospital Municipal passou por reformas paliativas, 16 Unidades de Saúde do município estão sendo reformadas e ampliadas, contratamos novos profissionais, entre médicos, enfermeiros e agentes, e isso melhorou nossa capacidade de atendimento. O número de médicos, por exemplo, cresceu 20% desde o início do ano até aqui. Também aumentamos o número de enfermeiros, quase dobramos o número de agentes de endemias e adquirimos 10 novas ambulâncias 0km. É importante frisar que são seis ambulâncias semi-UTI e quatro ambulâncias UTI, coisa que o município nunca teve e tudo comprado com recurso próprio. Isto é um grande avanço. Também criamos o Centro de Especialidades Integradas, o CEI, e agora todas as consultas com especialistas da rede pública podem ser feitas em um só lugar. Além disso, foram adquiridos mais de 300 novos equipamentos para aparelhar o serviço de saúde do município. Nos primeiros meses do ano que vem Parauapebas vai contar com uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e duas Unidades de Pronto Atendimento 24 h, e as UPAS, além de novas Unidades de Saúde que iremos construir ao longo de 2014.

E sobre o novo Hospital Municipal? Quando ficará pronto?
Valmir Mariano – O Hospital Municipal já está em fase de acabamento da obra civil, que é a parte da construção propriamente dita. O segundo e o terceiro piso já ficam prontos neste mês e a previsão da Semob é finalizar tudo até março. Estamos em conversa avançada com o Governo do Estado para tornar o nosso hospital um Hospital Regional, referência em saúde no estado e com tudo que a população precisa para ser bem atendida.

E o que será feito com o prédio antigo?
Valmir Mariano – O antigo prédio do hospital vai passar por uma grande reforma, que já começa no início do ano, e continuar com os atendimentos à população. A parte mais complexa do atendimento irá ocorrer no novo hospital e o prédio atual será utilizado para os mais simples.

Parauapebas cresceu muito nos últimos anos. Para muitas pessoas dos bairros mais distantes, o acesso ao hospital é muito difícil. Existe alguma alternativa para facilitar o acesso dessas pessoas ao serviço de saúde?
Valmir Mariano – Infelizmente, ainda existe em Parauapebas a cultura de procurar o Hospital Municipal para atendimentos mais simples, que podem ser realizados na atenção básica, ou seja, nas Unidades de Saúde distribuídas nos bairros da cidade e na zona rural. Ano que vem, vamos ampliar ainda mais o número de unidades para que mais bairros sejam contemplados e mais famílias tenham acesso aos serviços de saúde perto de suas casas. Além disso, a construção das duas Unidades de Pronto Atendimento 24h, as UPAs, serão construídas nesses novos bairros, uma no Beira Rio II e outra no Cidade Jardim, justamente para descentralizar o atendimento e ampliar a área de atendimento da Saúde no município.

E quanto às pessoas que precisam de tratamento fora do município?
Valmir Mariano – Este ano, avançamos bastante nessa área, com destaque para duas ações. A primeira delas foi o início da informatização do TFD (Tratamento Fora de Domicílio).
Um sistema criado pelos próprios servidores da prefeitura que vai garantir mais integração e agilidade nesse processo. Hoje, recebemos uma média de 100 pedidos de tratamento fora de domicílio por dia, em um processo de cadastramento manual. Com a informatização do TFD, os atendimentos estão mais rápidos, o que aumenta a eficiência do serviço. Adquirimos também um ônibus para conduzir os pacientes que precisam fazer hemodiálise em outros municípios, até que o novo hospital fique pronto. Isso vai dar mais conforto para essas pessoas que precisam sair de Parauapebas para fazer esse tratamento em outras cidades.

ÁGUA TRATADA

Imagens Água02

No início do ano, Parauapebas enfrentava sérios problemas de distribuição de água tratada. Como está a situação hoje e o que a prefeitura tem feito para resolver essa situação?
Valmir Mariano – Em 2013, trabalhamos muito para começar a resolver essa questão. Para se ter uma ideia do quanto fizemos até aqui, dobramos a capacidade de abastecimento e distribuição de água no município e hoje mais de 40 milhões de metros cúbicos de água chegam às torneiras de Parauapebas todos os dias. Além disso, já foram iniciados os serviços de construção de sistema de captação, tratamento e distribuição de água no complexo Caetanópolis, para atender a uma população estimada em 35 mil habitantes; cinco reservatórios com capacidade para 2.500 m3 de água para atender às comunidades dos bairros Jardim Canadá, Nova Vida, Betânia e Bela Vista, e os outros cinco com capacidade para 200 m3 nos bairros e localidades Jardim Canadá, Céu Azul, Jardim América, Distrito Industrial, Vila Sanção e Vila Paulo Fonteles.

Apesar de tudo, o desperdício ainda é muito alto. O que fazer para reduzi-lo?
Valmir Mariano – São aproximadamente 150 litros de água por pessoa desperdiçados a cada dia e isso prejudica muito o abastecimento. Por isso, estamos realizando campanhas nas escolas para educar as crianças sobre o assunto e temos equipes nas ruas falando diretamente com a população. Mês passado, por exemplo, a campanha “Desperdício Zero” percorreu as ruas da cidade todos os sábados para falar desse assunto e saber a opinião das pessoas sobre o serviço, que foi bem avaliado.

ZONA RURAL

Imagens Campo

O agronegócio é apontado por pesquisadores como uma das alternativas econômicas que Parauapebas pode desenvolver. Como seu governo tem investido nesse setor?

Valmir Mariano – Neste ano, atendemos a mais de 1.200 famílias de produtores do campo. Foram mais de mil hectares de destoca e enleiramento, mais de dois mil hectares de gradeamento, duas mil toneladas de calcário, 26 toneladas de sementes de milho, duas toneladas de sementes de feijão e 880 mil ramas de mandioca, 122 lotes secos (grandes reservatórios para captar água da chuva e outras fontes), 86 tanques de piscicultura e entrega de tratores e implementos agrícolas para atender às seis regiões da zona rural.

O abastecimento de frutas e verduras na cidade ainda conta como principais fornecedores comerciantes vindos de outros municípios. Com esses investimentos, os produtores locais poderão reverter essa situação?
Valmir Mariano – No início do ano, realizamos o Censo Agropecuário para levantar as principais demandas e o perfil dos pequenos produtores. Dividimos a zona rural em seis áreas para atender melhor as necessidades dos produtores e estamos trabalhando todos os dias para melhorar a produção e a qualidade de vida daquelas pessoas. Como resultado desse trabalho, não só iremos garantir mais competitividade aos nossos produtores como também iremos aumentar a aquisição, por parte da prefeitura, de produtos da nossa zona rural para a merenda
escolar, por exemplo.

INFRAESTRUTURA

Imagens Infraestrutura

E quanto às obras de infraestrutura, o que foi feito?
Valmir Mariano – Vou começar falando da zona rural, um trabalho que nunca havia sido realizado. Foram quase 700 quilômetros de abertura e recuperação de estradas. Quem tiver a oportunidade de ir lá vai ver a grande diferença. Temos recebido o reconhecimento dos produtores e continuaremos trabalhando na zona rural. Na cidade não foi diferente. Pavimentamos vias e implementamos a operação tapa-buracos, que recuperou quase 10 mil m² de vias. Também estamos melhorando a integração, abrindo e ligando vias, como é o caso da Rodovia PA 160 à PA 275, no trecho que corta o Bairro Jardim Canadá, e a pavimentação da Rua F, que interliga o Bairro Beira Rio II à PA 160, passando pelo Bairro Parque dos Carajás. Também estamos construindo pontes para aumentar essa integração. Tudo isso faz parte do plano de mobilidade urbana, que prevê a duplicação das rodovias PA 160 e PA 275, da estrada Faruk Salmen e a construção da orla no Rio Parauapebas, que já vamos começar no ano que vem. Aproveito para desejar Feliz Natal e Próspero Ano Novo a toda a população de Parauapebas, na certeza de que, juntos, faremos muito mais em 2014.

Publicidade

Veja
Também