Pará repete bom resultado e tem melhor desempenho na geração de empregos no Norte do Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

De acordo com o estudo realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o Pará apresentou saldo positivo de mais de sete mil empregos formais em setembro. Em todo o estado, foram 35.544 admissões contra 25.382 desligamentos. Todos os setores econômicos apresentaram crescimento, com destaque para a construção civil (2.457 postos), serviços (2.337), indústria em geral (1.377), comércio (930) e agropecuária (611).

Quando a comparação se dá entre os estados da região Norte, o Pará mais uma vez se destaca e fica com o melhor resultado: 7.712 postos de trabalhos gerados, seguido do Amazonas com 4.302, Tocantins com 1.791, Acre com 1.102, Roraima com 546, Rondônia com 388 e o Amapá com 281 novos empregos.


O titular da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Inocêncio Gasparim, crê em uma manutenção desse saldo positivo de empregos formais nos próximos meses.

“São resultados frutos do dinamismo da economia e das ações do governo do Estado. Com esse número nós estamos chegando a quase 70 mil novos empregos neste ano de 2021, o que nos habilita a pensar que esses dados vão melhorar com a diminuição plena da pandemia, pelo avanço da vacinação e o correto bandeiramento das regiões e dos municípios, permitindo que a reabertura das atividades seja bem mais seja bem maior”, relaciona o gestor.

O balanço dos nove primeiros meses deste ano (Jan-Set/2021) mostra saldo positivo de empregos formais no comparativo entre admitidos e desligados. Foram feitas no período analisado em todo Pará, 284.769 admissões contra 223.417 desligamentos gerando saldo positivo de 61.352 postos de trabalho.

Nos últimos 12 meses (Out/2020-Set/2021), todos os setores econômicos do Pará apresentaram saldos positivos de empregos formais, com destaque para o setor de serviços com a geração de 24.275 postos de trabalhos, seguido do comércio, com 23.041.

veja também