Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Paralisia infantil e sarampo são alvos da nova Campanha de Vacinação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

No período de 8 a 28 de novembro, pais e responsáveis por crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade estão convocados a levá-las até ao posto de saúde´, a fim de serem vacinadas durante a Campanha Nacional de Vacinação. No Pará, a meta é vacinar 639.783 crianças contra a paralisia infantil e outras 574.331 contra o sarampo, o que corresponde à meta de 95% do público-alvo.

Segundo informações do Ministério da Saúde (MS), o Pará recebeu da União 1,6 milhão de doses de vacinas, que já foram distribuídas pela Divisão de Imunizações da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) aos 13 Centros Regionais de Saúde (CRS’s), que por sua vez já encaminharam as doses aos municípios de abrangência.


Ao todo são 718 salas de vacinação nas Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) e Unidades do Programa Saúde da Família (PSF) em todo o Estado disponíveis, como de costume, de segunda à sexta-feira. Nos dois sábados, 8 e 22, quando serão intensificadas as mobilizações em torno da campanha em função do chamado “Dia D”, funcionarão 2.500 postos fixos e outros 1.808 volantes.

O secretário de Estado de Saúde Pública, Helio Franco, reforça que a vacinação é a melhor forma de prevenir doenças, sobretudo em função do Brasil estar em evidência no cenário internacional por ter sediado a Copa do Mundo, em 2014, e por receber, em 2016, os Jogos Olímpicos. “Isso demanda uma atenção especial às doenças, devido ao aumento de circulação de pessoas, que estão viajando mais. Nesse caso, as crianças precisam estar com o esquema de vacinação em dia e é necessário que os pais e responsáveis estejam em alerta”, recomenda.

Especificações

Recomendada para crianças de seis meses a menores de cinco anos, a vacina contra a poliomielite – que causa a paralisia infantil – será aplicada em gotas. No entanto, pode haver a necessidade de ser administrada a versão injetável para as crianças acima de seis meses que estão com esquema vacinal atrasado.

Publicidade

Veja
Também