Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

PARAUAPEBAS: Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária mobiliza várias famílias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Acampamento do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) está se formando desde a manhã de segunda-feira, 3, na margem da EFC (Estrada de Ferro Carajás), próximo à Parauapebas onde, segundo um líder do movimento, Pablo Santiago, deverão chegar milhares de famílias.

Em entrevista concedida à nossa equipe de reportagens, ele disse que trata-se de uma ação desencadeada por trabalhadores rurais assentados e acampados do MST /Pará, que somam-se ao conjunto das ações da Jornada Nacional de Lutas por Reformar Agrária que denuncia a paralisação da Reforma Agrária no País, que se expressa no agravamento do ajuste fiscal que cortou quase 50% dos recursos de Reforma Agrária – de 3,5 bilhões para apenas R$ 1.8 bilhões. “Mas ainda, o MST também se soma ao conjunto das mobilizações da classe trabalhadora em defesa dos direitos conquistados, contra o conservadorismo encampado pela direita brasileira e por democracia”, diz Pablo, ressaltando que ainda exigem o imediato cumprimento das pautas acertadas junto ao MDA/INCRA com a pauta estadual do MST em sua especificidade (ver pauta estadual) que dizem respeito ainda a demandas com o Governo do Estado.


Em Nota enviada à imprensa o MST enumera as seguintes reivindicações:

1- A Terra: Exigimos o assentamento imediato de todas as famílias acampadas, tendo como Plano de Meta assentar pelo menos 50 mil famílias ente 2016/2018;

2- Créditos: Imediata desburocratização do acesso a créditos para camponeses e camponesas.

3- Desenvolvimento: Garantir a universalização de programas de desenvolvimento a todos os assentamentos através de suas organizações;

4- Educação: fortalecer o programa nacional de Educação da Reforma Agrária, assim como a construção imediata de 300 novas escolas de área der Reforma Agraria, 100 centros de educação infantil, e a garantia de 30 Institutos Federais dentro das áreas de assentamento;

II- REFORMA AGRÁRIA POPULAR

Entre os objetivos básicos entendemos que a Reforma Agrária popular deve:

a) Eliminar a pobreza no meio rural;

b) Combater as desigualdades sociais e a degradação da natureza;

c) Garantir melhores condições de vida para todas as pessoas e oportunidade de trabalho, renda, educação, cultura e lazer, estimulando a permanência no meio rural, em especial da juventude;

d) Garantir as condições de participação igualitárias das mulheres que vivem no campo;

e) Preservar a biodiversidade vegetal, animal e cultural existente em todos os biomas;

f) Produção de alimentos saudáveis.

III- DENUNCIAR O LATIFÚNDIO E O AGRONEGÓCIO

É preciso além de combater a concentração e a reconcentração da terra, denunciar o agrotóxico os transgênicos, o desmatamento, a crise hídrica causada por esse modelo agrícola e a violência no campo.

IV – EM DEFESA DOS DIREITOS, CONTRA A DIREITA E POR DEMOCRACIA.

As mobilizações da direta brasileira nas ruas tem demonstrado o ódio contra a classe trabalhadora e todos os avanços conquistados ao longo desses anos. Denunciamos a Rede Globo por criar um clima para proporcionar um golpe de Estado.

Neste sentido nossas principais bandeiras de luta unificada são:

a) Democratização dos meios de comunicação;

b) Reforma Política;

c) Em defesa da Petrobras e punição a todos os casos de corrupção;

d) Contra a PL da terceirização;

c) Contra os ajustes ficais que só atingem os pobres da população;

Reportagem: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar
Fotos: Reprodução/WhatsApp

Publicidade

Veja
Também