Parauapebas receberá terceiro cemitério municipal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Cemitério Jardim da Saudade | Foto: Arquivo | Elienai Araújo | Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Após 21 anos de funcionamento, período em que já recebeu cerca de 13 mil corpos, o Cemitério Municipal Jardim da Saudade deverá ter todos os espaços preenchidos. O alerta vem sido dado há pelo menos três anos, quando começaram a veicular matérias a esse respeito, porém, com as adaptações e reaproveitamento de espaços, foi possível adiar o encerramento das atividades.

“Na verdade, as atividades não serão encerradas neste cemitério, pois, com a autorização de familiares, poderão ocorrer sepultamentos ainda aqui, uma vez que o mesmo túmulo com ou sem gaveta, tem condições de receber corpos”, explica Juvenal Lima, administrador do Cemitério Jardim da Saudade, localizado às margens da Rodovia Faruk Salmen, em Parauapebas, esclarecendo que a abertura de um novo cemitério não significa a desativação do outro, pois, enquanto tiver restos mortais ali, a área receberá manutenção do poder público municipal.


Novo cemitério será nesta área

 

O novo cemitério, que será o terceiro em Parauapebas, tenho outro também desativado para o recebimento de corpos, localizado no Bairro Rio Verde, entre as ruas do Arame, Marabá e São João, será instalado de frente com ao Jardim da Saudade, já tendo sido a área adquirida com aproximadamente 4 alqueires, onde no meado de fevereiro, deverá começar a receber os primeiros corpos, já que na área livre que resta no Jardim da Saudade, só cabem no máximo 30 covas. “A ideia é fazer lá dois tipos de sepultamentos, vertical e horizontal; assim, poderemos economizar espaço, pois, na modalidade vertical pode se ocupar o mesmo túmulo com diversos corpos”, detalha Juvenal, contando que já foi aumentado o número de servidores para auxiliar na administração do antigo e também do novo cemitério.

O histórico de sepultamentos no Jardim da Saudade, conforme conta Juvenal, é 70% de jovens, já que nesta faixa etária se envolvem mais com conflitos e acidentes; mas, com a pandemia de Covid-19, tem sido diferente, já que pessoas idosas são as mais propensas a morrer vítimas da doença.

Falando da organização dos cemitérios de Parauapebas, Juvenal diz que é possível ser localizado o túmulo de qualquer pessoa que ali esteja sepultada, precisando apenas pedir a informação com antecedência na administração, apresentando os dados do falecido.

veja também