Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Pela 15ª vez, comunidade católica de Parauapebas apresenta a “Paixão de Cristo”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma evento religioso que durou aproximadamente 3 horas, com atos na Praça do Cidadão e trajeto pelas ruas até o ato final da “crucificação” na Praça de Eventos. Assim foi a Encenação da Paixão de Cristo que reuniu uma multidão pela 15ª vez para assistir a peça que retrata o Ministério, Paixão e Morte de Jesus.

A encenação foi feita na última sexta-feira, 25, por atores amadores da Igreja Católica de Parauapebas, sob o comando das Paróquias São Sebastião, São Francisco e São Raimundo, que reúnem um grupo de pelo menos 70 atores que oferecem à comunidade uma das melhores peças teatrais religiosas do interior do Pará. O elenco é escolhido nas comunidades católicas pela época do Natal, e tão logo inicia o ano os ensaios são feitos e na “sexta-feira da paixão” vai aos olhos da população.


A peça iniciou na Praça do Cidadão, bairro Rio Verde, onde foram encenados os seguintes atos: Batismo de Jesus; Tentação no deserto; Milagres; Pregações; Entrada em Jerusalém; Santa Ceia; Prisão e condenação de Jesus que recebe nos ombros a cruz. Ganhando as ruas, passou pela Rua Comércio, depois a Rua Rio de Janeiro e nesta acontece o primeiro ato na altura da Escola Eduardo Angelim, onde Jesus cai pela primeira vez. A Via Crucia segue entrando na Rua 16, onde próximo à comunidade Nossa Senhora Aparecida, na esquina com a Rua M, Jesus se encontra com sua Mãe, Maria; ainda na mesma Rua, próximo à Rua I, Simão Cirineu, é obrigado a carregar a Cruz de Jesus; e ainda na mesma Rua esquina com a Rua F, Verônica enxuga o rosto de Jesus. Na sequência a peça entra pela Rua E, e enfrente a SEMAS, Jesus cai pela segunda vez; na esquina da Rua E com a Rua 10, Jesus cai pela segunda vez e consola as mulheres de Jerusalém.

A Via crucia segue e chega à Praça de Eventos, bairro Cidade Nova, onde ocorrem os derradeiros atos: Crucificação; Morte; Sepultamento e ressurreição.

Tradição da encenação

Crida em 2002, tinha o intuito de ser apresentada apenas na comunidade do bairro Primavera, na Paróquia São Raimundo. Mas o sucesso foi tanto que se repetiu no ano seguinte, e de novo, outra vez, novamente, se tornando uma tradição aguardada por todos.

A peça deixou o palco e ganhou as ruas fazendo a cada ano um percurso maior e diferente e em 2003, o padre recomendou que fosse feito a nível de paróquia para toda a cidade. Recentemente o Ato foi incluído na Agenda Cultural do Município com aprovação da Câmara Municipal. Com isso ganha força, o que já era tão tradicional e atraía pessoas de municípios de várias regiões do Pará e de outros Estados para prestigiar.

Reportagem: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também