Pelo menos oito menores estão envolvidos na morte de membro de facção em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Yardley foi torturado durante 12 horas e assassinado por oito adolescentes há seis dias

Na madrugada desta sexta-feira, 1º de janeiro, a Polícia Militar de Parauapebas apreendeu mais um adolescente envolvido na morte de Yardley Lima Martins Oliveira, o Dadá, de 19 anos, realizada com requintes de crueldade no dia 26 deste mês, às margens do Rio Parauapebas, filmada e divulgada em redes sociais.

O menor apreendido pela PM na primeira hora desta sexta-feira estava na área externa de uma quitinete pertencente a sua tia, no Bairro Jardim América, em Parauapebas.


A apresentação dele ocorreu na madrugada mesmo, durante o plantão da delegada Ana Carolina Carneiro de Abreu, que também é titular da Delegacia da Mulher e do Adolescente. Ela relembrou que o menor apreendido primeiro, há três dias, tinha 13 anos de idade e o encontrado na virada do ano tem 15 anos.

O adolescente confessou à polícia que foi o responsável por esgorjar (corta a garganta) e tirar a cabeça da vítima. Ele revelou preparativos para o crime famigerado e disse que no último sábado, 26 de dezembro, ele e mais seis adolescentes do sexo masculino e uma do feminino (todos membros do PCC) estavam no Bar Opção. Dadá pertencia a uma facção criminosa rival da deles (Comando Vermelho).

A adolescente do sexo feminino, segundo narrou o menor de 15 anos apreendido, atraiu a vítima para a emboscada, a levou para o Rio Parauapebas na promessa de manterem relações sexuais. Os outros sete menores foram para o rio ao encontro deles.

Chegaram à margem do rio no domingo, por volta de 5 horas da manhã e torturaram Yardley das 5 da manhã até as 17 horas para que ele falasse sobre a facção a que pertencia (CV). Depois disso, eles esgorjaram a vítima até a morte e depois o jogaram no rio.

Entenda o caso

Em uma das gravações de vídeo, a vítima aparece viva, com as mãos amarradas para trás e sendo “entrevistada” por outra pessoa. Dadá assume pertencer a uma facção criminosa, mas afirma estar disposto a “rasgar a camisa”, ou seja, deixar a sigla, declarando que ela é “um lixo”. Ele confessa, ainda, que trabalhava vendendo droga para o grupo criminoso desde 2018. O responsável por gravar o vídeo e fazer as perguntas não identifica a qual grupo pertence.

O segundo vídeo já mostra o corpo de Yardley sem vida, às margens do Rio Parauapebas, não sendo possível identificar em que ponto da cidade. Nas imagens aparecem quatro homens e uma mulher que protagonizam cenas bárbaras.

Uma das pessoas bate diversas vezes com um pedaço de pau na cabeça da vítima, enquanto outros dois começam a decapitá-la com facas. A mulher e outro homem aparecem fazendo gesto do número três com os dedos.

No último domingo (27), a mãe de Yardley procurou a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil e registrou boletim de ocorrência, informando o desaparecimento do filho, visto pela última vez às 19h40 do dia 25, quando saiu de casa, no Bairro Liberdade, para dar uma volta na cidade. O bairro é mencionado no vídeo em que a vítima ainda está viva. No final da manhã desta sexta-feira, os dois adolescentes já apreendidos suspeitos de praticar esse crime bárbaro ficaram de ser ouvidos em audiência de custódia no plantão do Fórum de Parauapebas.

Publicidade

veja também