Polícia Civil do Pará intensifica o combate ao estelionato

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

No mês de setembro a Polícia Civil do Pará registrou várias prisões relacionadas ao crime de estelionato, inclusive em outros estados, o que ajudou a desarticular grupos e quadrilhas ligadas à prática. A corporação comemora os feitos e afirma que trata-se de uma medida combativa para diminuir a incidência desse tipo de ocorrência.

Três casos em 2021 são emblemáticos: a estelionatária que aplicou golpes milionários na região do Xingu, o estelionatário que aplicou golpes em mais de 500 pessoas movimentando R$ 60 milhões e o grupo criminoso que foi preso no Ceará após abrir uma falsa agência lotérica no Pará.


Segundo o delegado Nyvaldo Silva, titular da Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe), o governo do Estado tem dado todo o apoio para a Polícia Civil no combate sistemático ao crime de estelionato. Para melhor desenvolver os trabalhos de investigações, foi criada a Delegacia Especializada no Combate ao Crime de Estelionato e Outras Fraudes (Deof). Além disso, foi disponibilizado um prédio com melhores estruturas, onde atualmente funciona a Dioe, vinculada à Deof, para que a população tenha mais conforto no atendimento, assim como o quadro policial passou a ter melhores condições de trabalho.

“Também passamos a contar com viaturas novas para serem utilizadas no dia a dia do trabalho policial, notadamente no combate ao crime de estelionato. No que tange à capacitação dos agentes, a Academia de Polícia Civil tem oferecido curso de capacitação e aprimoramento para todo o quadro da PC-PA – delegados, escrivães e investigadores”, detalha Nyvaldo.

Ainda segundo o delegado, quando a Polícia Civil recebe ocorrências policiais e representações criminais denunciando crimes de estelionato, são desencadeadas ações investigativas para identificar e localizar os autores do delito.

“Muitas vezes temos que recorrer à medidas cautelares de busca e apreensão, quebra de sigilo telefônico e bancário e de interceptação telefônica, ou até mesmo pedido de prisão preventiva dos autores. Também, é feita uma investigação de campo com a finalidade de acompanhar os passos das quadrilhas especializadas no crime de estelionato”, esmiúça o titular da Dioe.

Para evitar cair em golpes, a Polícia Civil do Pará orienta sempre suspeitar de ofertas tentadoras (bilhetes premiados, joias, recompensas); desconfiar de dinheiro e ganhos fáceis; deixar de lado a ambição desmedida e o lucro fácil; desconfiar de prêmios que cheguem por meio de mensagens via celular; evitar que idosos andem desacompanhados; não fornecer dados pessoais com muita facilidade e; acessar e comprar apenas em sites reconhecidos e seguros.

Se há situação de estelionato, é necessário sempre procurar a Polícia Civil para formalizar um boletim de ocorrência e apresentar todas as informações e documentos que possam subsidiar as investigações, no intuito de identificar e localizar os autores do crime.

veja também