Polícia Civil fecha depósito de água clandestino em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

As polícias Civil de Marabá e Parauapebas desarticularam no último sábado (22), em Parauapebas um casal proprietário de um depósito de água que vendia o produto de forma clandestina, o que é considerado crime contra a saúde pública conforme o Código Penal Brasileiro.

De acordo com informações repassadas pela Polícia Civil de Parauapebas à nossa equipe de reportagens, há indícios de que os donos do depósito estariam realizando o envase clandestino de água nos vasilhames retornáveis com água de torneira e não mineral, como anunciavam e vendiam para populares.
A suspeita ganhou força quando a Polícia Civil durante buscas no estabelecimento, encontrou diversos lacres e rótulos de água mineral das empresas “Nossa Água” e “Água da Fonte” supostamente falsificados.


A nacional Midhian Nascimento Santos, foi presa em flagrante. Ela é bastante conhecida em Parauapebas e região, sendo que já trabalhou como Agente de Trânsito no Departamento Municipal de Trânsito e Transporte de Parauapebas (DMTT).

O depósito de água clandestino estava sendo investigado pela Polícia Civil que deu início às primeiras ações de busca e apreensão e prisões.
No momento da prisão, Midhian teria resistido e desrespeitado os policiais, porém, a acusada foi encaminhada à Delegacia de Polícia e foi liberada após pagar fiança estabelecida pela Justiça no valor de 10 salários mínimos.

Em conversa com a equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar, O Delegado Thiago Carneiro, Superintendente Regional de Polícia Civil de Parauapebas, afirmou que o trabalho investigativo realizado ao comando da Delegada Yanna é importantíssimo, tendo em vista que comercializar água sem a autorização dos órgãos competentes é crime.

Ainda segundo Thiago Carneiro, os produtos apreendidos durante a operação policial serão encaminhados para perícia para comprovar se realmente a água comercializada é imprópria para consumo ou não, tendo em vista que rótulos e lacres supostamente falsificados foram encontrados. “Apenas com o laudo pericial poderemos saber de detalhes do crime”, disse a autoridade policial.

Reportagem: Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar / Com informações da Polícia Civil
Fotos: Divulgação / Polícia Civil

Publicidade

veja também